sábado, 29 de agosto de 2009

Não sei, nem quero saber!


Acho que hei-de ter oitenta anos (se lá conseguir chegar!) e mesmo nessa altura não me vou compreender…mas também que graça teriam os meus dias se eu próprio tivesse um livro de instruções. Desta forma estou sempre a surpreender-me, umas vezes para o bem outras para o mal, mas o certo é que monotonia não reina em mim e isso sabe tão bem…

Hoje acordo e não sei como vou estar, não sei como vai ser ou acabar o meu dia e assim a esperança nunca morre, porque não há um destino predefinido, porque desta forma tudo pode acontecer e as coisas boas acontecem quando menos se espera [nem que seja somente acabar o dia bem disposto por nenhuma razão aparente, apenas porque sim!]



[E ainda há quem queira saber o futuro, para quê? E se for mau, hummm? Fiquem lá com as previsões, que fico com o meu desconhecimento!]


4 comentários:

Pipi disse...

Penso que a imprevisibilidade de humor é uma característica predominantemente feminina (talvez à custa das oscilações hormonais) mas é sempre refrescante ver uma opinião masculina tão sincera.

Le Enfant Terrible disse...

Pipi
Sê bem vinda!

Teresa Queiroz disse...

é o não saber que nos faz levantar todos os dias

*_Clave de Sol_* disse...

Como concordo contigo! Se o futuro fosse certo, porque lutaríamos nós? E as surpresas, quem não gosta de as ter? ;)