sábado, 8 de agosto de 2009

Pretensões


Quando quero adquirir qualquer coisa estudo o caso, analiso as opções, verifico, comparo, faço toda uma série de diligências para tentar obter o que mais me convém, de acordo com o que supostamente pretendo e com aquilo que estou disposto e posso oferecer. Se por um lado parto com uns certos parâmetros, rapidamente, depois da primeira avaliação, altero os mesmos e continuo a altera-los, sempre para valores superiores aos iniciais, o que torna a decisão final cada vez mais difícil de tomar, o que me afasta do objectivo inicialmente previsto.
Diria que quando se quer algo parte-se de uma base simples, mas depois ao apercebermo-nos que se pode ter melhor por mais um bocadinho começamos a subir degraus, degraus que antes não existiam, não víamos, nem estávamos dispostos a subir. O problema é que se chega a um ponto em não conseguimos subir mais mas também não queremos descer e caímos nessa indecisão que nos torna estáticos, nessa luta interna por aquilo que pretendemos e pensamos que vamos obter, contra aquilo que estamos dispostos e conseguimos dar, , o que nos leva a ficarmos perdidos nesse conflito e por conseguinte a nada obter.

1 comentário:

Mnemósine disse...

E assim se poupa muito dinheiro! As indecisões têm destas coisas, há que ver o lado bom.