sábado, 12 de setembro de 2009

Ah e tal com esse feitio vais acabar velho e abandonado!

Sim esta frase anda para aí na boca de toda a gente. Em particular daqueles que por sorte ou destino, ou outra coisa qualquer estão a viver a vida normal de 1+1 = 2, todos felizes e contentes e ainda bem para eles. No entanto dizem que nós os solteiros e solteiras, que teimam em ser esquisitos e a manter-nos sós em vez de tentarmos mais, de apostarmos a nossa sorte, de estar com alguém por estar, só para parecer bem, vamos acabar deste modo sozinhos. Pois se tudo fosse assim tão fácil como esses amigos e amigas nos querem fazer crer, que estão sempre com essa conversa cujo intuito é espevitar, tornar-nos mais assertivos, não connosco mas com um certo modelo social, para assim nós alcançarmos a nosso própria felicidade. Mas será possível mudar quem somos ou o que queremos simplesmente para parecer bem, ou para arranjar alguém, que assim, ao olhar-nos em tons polidos se possa interessar por nós? Não é isso viver uma mentira? Viver a vida não pode ser uma mentira, porque as mentiras não duram para sempre e muito menos fazem alguém feliz, tanto nós como os outros. No máximo o que conseguimos fazer é olhar uma segunda vez para alguém que sinta algo por nós, mas se nesse segundo olhar não sentirmos nada para quê insistir? Apenas porque outrem pensa que há alguém ideal para nós, simplesmente porque a única coisa comum que tem connosco é facto de se encontrar igualmente na solidão, não quer dizer que nós estejamos interessados. Porquê? Porque é preciso bater qualquer coisa cá dentro, é preciso faltar um pouco de ar, de sofrer um pouco, de ficar no pensamento e accionar a tecla dos “e se…”. Talvez por isso o amor e as relações nas criaturas que como eu que têm “um feitio especial” e como tal lhes é rogada a praga do “vão acabar velhos e abandonados” sejam tão difíceis, porque não se escolhe de quem se gosta, gosta-se e pronto! Não é a disponibilidade da outra parte, o desespero ou o pequeno e simpático empurrão dos amigos que vai fazer nascer um vórtice cá dentro! Uns acham que isso é uma questão de querer. Para mim não é uma questão de querer, é uma questão de ser assim que as coisas são e de outra forma não têm razão de ser. Mas parece que há por aí muita gente que não consegue ver isso…

7 comentários:

miúda gira disse...

Eu sou da mesma opinião.Não há que forçar as coisas, mas sinceramente às vezes essa história de "tentar para ver se resulta" funciona mesmo, eu sei porque uma das minhas melhores amigas começou assim e está a fazer agora um ano que estive no casamento deles...

Li disse...

Bem...este foi um desabafo daqueles...cá do fundinho do coração... :) Há pessoas que não compreendem isso...Mais vai ver que também há muitas pessoas, como eu, o compreenderão... :) Boa fim-de-semana!

S* disse...

Infelizmente gostar ou não gostar de alguém não é uma opção nossa. Quem me dera a mim apaixonar-me pela pessoa que sei que me faria feliz. Infelizmente gosto de quem nao me pode dar nada.

Pochinha disse...

Concordo absolutamente! E antes só que mal acompanhado, certo? ;)

Pochinha disse...

Concordo absolutamente! E antes só que mal acompanhado, certo? ;)

GATA disse...

"Ah e tal com esse feitio vais acabar velha e abandonada... e comida pelo gato!" :-)

As vezes que eu já ouvi isso... Mas como eu sempre digo: mais vale só que mal acompanhada!

Até porque a minha última relação séria fez-se perder a pouca fé que tinha nos homens e no Homem (enquanto Ser Humano)...

miúda disse...

Parece-me que este lado também padece do mesmo mal: "zelo excessivo pela vida dos outros". Concordo com o que dizes mas á pessoas que não entendem. é preciso sentir o algo mais, porque uma vida partilhada apenas para freguês ver, não é vida é solidão...
***