domingo, 18 de outubro de 2009

Tempo que muda...

Durante a minha infância nunca me preocupei muito com o facto de um dia vir a ser adulto, aliás a minha preocupação era ter de um dia ser adulto, que a meu ver era a coisa mais chata do mundo. Talvez por isso sempre que me perguntavam o que queria ser quando fosse grande encolhesse os ombros, estava lá preocupado com isso, era só que faltava! Essa questão era para mim muito longínqua. De certa forma agora que olho para trás, acho-me mais sábio naquela altura do que hoje em dia, porque o meu interesse era viver o dia, sem me preocupar com o futuro e não conhecia outra definição para a minha existência que não fosse a felicidade…

6 comentários:

maria teresa disse...

E agora não tem momentos de felicidade?

L'Enfant Terrible disse...

maria teresa
Constantemente não, mas ainda os vou tendo!

Kikas disse...

meu Deus! estás cada vez mais Terrible e cada vez menos Enfant.. ai que vou ter que me chatear contigo. e que tal soltares a criança que está em ti? vai andar dde carrossel ou brincar com carrinhos :p

maria teresa disse...

Mas ninguém está sempre feliz... A felicidade chega em pequenos pedaços que devem ser muito bem aproveitados.
Nem em criança era totalmente feliz, a idade mascara as sensações antigas, era livre de preocupações isso sim, porque não conhecia a vida, não queira ser Peter Pan, ou melhor seja mas na parte mais "alegre" dele...

suspiro de baunilha disse...

Eu tb acho que era mais feliz antas... Pelo menos não havia o peso da responsabilidade! beijocas ;)

D* disse...

Isto agora lembrou-me uma conversa que tive há uns dias sobre a universidade. Quando eu era pequena achava que os universitários eram pessoas já quase casadas, já quase com casas, pois eram tão "grandes". Agora que cheguei a essa etapa reparo o quão rápido o tempo passou e o quanto eu me preocupei com o futuro... Ele havia de chegar, e tenho pena do tempo que perdi a pensar nele!