quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Cogitações sobre amor

Cada vez mais chego à conclusão que aquilo a que se chama “amor” tem concepções de diferentes formas dependendo de um de e de cada qual.
Uns acham que o amor é aquilo se entende por se sentirem bem junto de outra pessoa, seja ela qual for, sem precisarem de fazer grandes escolhas, vêem o amor como algo leve, algo natural e sem muitas complicações, gostam e pronto, sem grandes emoções, sem grandes faíscas e é um amor politica e socialmente correcto.
O reverso disso são aqueles para quem o amor tira o ar, o fôlego, suam, o coração bate mais forte e sofrem muito por motivo nenhum, imperceptível e sem razão para os outros como se o mundo fosse acabar amanhã ou então andam de sorriso nos lábios, capazes de andar à chuva sem perceber que chove e sempre radiantes, quase a flutuar, quase a voar. Era fecha-los com quem querem estar e nunca mais ninguém lhes punha a vista em cima.

[Haverá uma terceira via?]

8 comentários:

*B* disse...

A mistura da 1ª com a 2ª!

;)

Olhos Dourados disse...

Uma dessas não será paixão?

L'Enfant Terrible disse...

Olhos Dourados
Provavelmente, mas a paixão é fugaz o amor não!

Girl in the Clouds disse...

Eu gosto de paixões ardentes!!
Mas cada um vê o amor à sua maneira, e acredito que a forma de o ver se vai alterando ao longo da vida!!Kiss

S* disse...

Acho que me aproximo mais do segundo tipo... vivo o amor intensamente.

maria teresa disse...

O Amor é... e ficaríamos aqui a dizer frases e mais frases e...

Mona Lisa disse...

Lembrei.me agora de alguém que dizia que o amor é uma invenção recente..Isto é tão mas tão subjectivo. Cada um define, vive e sente o amor à sua maneira. Eu pessoalmente seria incapaz de o sentir da primeira forma que descreveste...tão calminho e apagado. Impossível. Mas cada pessoa é diferente.

Kikas disse...

como diz a *B*, é mesmo uma mistura das duas! e, querido Enfant, à terceira é de vez :p