quinta-feira, 30 de abril de 2009

Constipação!

Garganta inflamada, voz rouca, expectoração, obstrução nasal, arrepios…pois estou a ficar engripado (espero que não seja com a gripe Suína!), basta mudar o tempo e é isto! Só espero que chazinho de limão mais o Ben-u-ron dêem cabo dela antes de começar (pelo menos costuma resultar!).
Tenho pena de não ter nenhum encontro hoje, é que a minha voz parece a do Barry White de tão rouca que está! Consigo dizer um “olá miúda” radiofonicamente à Nuno Markl e não tenho ninguém para ouvir...a vida é injusta!

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Há dias...


...em que a minha vida é uma rotina de tal modo rotineira, sem qualquer sombra de graça nem sabor que quase me leva a querer cometer um qualquer acto tresloucado apenas porque, sem mas nem porquês, só para abanar o barco e levar um choque, de modo a conseguir levar por diante outros tantos dias (ou meses) de mais pura rotina…

terça-feira, 28 de abril de 2009

A única...


...certeza que tenho é não ter certeza nenhuma. Isso deixa-me feliz...às vezes!

Notícias tranquilizantes

"Mais de 200 portugueses chegaram hoje a Lisboa provenientes do México sem sintomas da gripe suína, segundo vários dos passageiros."
Ora aqui está uma notícia que me tranquiliza! Então quer dizer que a malta vem lá do México, onde já morreram não sei quantos com uma possível pandemia e eis que chegam sem sintomas. Até aqui tudo bem mas…”segundo vários dos passageiros”'?! Então os vários passageiros eram médicos? Porque se não forem como é que eles sabem se alguém tem sintomas ou não? E é aos passageiros que se pergunta isso, não deveria ser às autoridades de saúde? Se bem conheço o nosso país, estou mesmo a ver que aqueles tipos da inspecção de saúde estavam mesmo à porta do avião vestidos como aliens a controlar as pessoas! É que acredito mesmo! Mas há mais:
"A delegada de saúde do Aeroporto da Portela foi ao interior do avião falar com os 228 passageiros que chegaram às 09:17, de Cancún, informando-os sobre a doença e respectivos sintomas."
Então e um exame não? Espero que a informação dada pela srª delegada de saúde tenha algum efeito terapêutico sobre a doença senão…

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Charme

Quando pergunto às amigas quais são os meus pontos fortes em matéria de atracção do sexo oposto, dizem-me, depois de um largo sorriso e alguma hesitação, que eu tenho um “certo charme”. Andei todo contente um tempo, porque tinha “charme”! Depois comecei a pensar mas afinal o que é ter “charme”? Compreendo que haja pessoas bonitas, simpáticas, sejam atraentes, agora que tenham “charme”? Fui ao dicionário da Porto Editora procurar. Não encontrei nada. Parece que os senhores da Porto Editora também não devem saber, como eu, o que é “charme”!
Ainda por cima não é “charme”, é um “certo charme”. Tenho de voltar a reunir com as amigas e inquiri-las sobre o assunto, podem-me dizer o que quiserem, até que não tenho nenhum atractivo, agora “charme”!?

domingo, 26 de abril de 2009

Alívio!

Finalizar um longo trabalho para a faculdade não pode deixar de ter um gostinho especial, uma sensação de dever cumprido, depois de três semanas caóticas, do qual o mesmo foi factor de muitas noites mal dormidas. Esta é resto a única parte que gosto dos trabalhos, quando os mesmos já estão feitos!
Só espero que a nota compense o esforço e as ralações, porque senão...Grrrr!

sábado, 25 de abril de 2009

E se um dia…

…eu tomasse a decisão mais estúpida da minha vida, contra toda a sabedoria, lógica, racionalidade e sendo comum, deixando-me apenas conduzir pela loucura e pelos sonhos, tendo como farol uma vã esperança que me faz acreditar que desse modo possa atingir a felicidade plena?

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Só...

“Your beauty makes me fell alone
I look inside but no one’s home”

[Therapy? - Screamager]

quinta-feira, 23 de abril de 2009

As Alturas...

Desde miúdo sempre fui considerado altinho, e com os meus quinze anos lá estabilizei no 1, 80 m, estatura acima da média dizia-se. Sempre conheci gente mais alta, mas o certo é que nunca destoavam muito do resto, pelo contrário. Agora que passados estes anos todos fui para a faculdade, qual não é o meu espanto de ver os rapazolas todos mais altos, e bem mais altos que eu. É que até aqui estava mal habituado, tinha sempre de olhar para baixo para ouvir os outros, agora é ao contrário, tenho de olhar para cima, por vezes quase a 90º. Será que a farinha que eles comem é mais potente que o meu velhinho Nestum? Humm, tenho de averiguar, talvez com jeitinho ainda cresça mais uns centímetros!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Gostava de...

Poder ser livre de compromissos,
Não complicar as coisas,
Dizer sempre o que penso,
Saber sempre o que fazer,
Parar de sonhar e viver a vida,
Saborear o Sol quente no meu rosto,
Ter alguém que me amasse,
Olhar para o ontem e não me arrepender de nada,
Dormir, dormir, dormir,
Não ter de lavar a loiça hoje, nem passar a ferro!

Sexta-feira 13?

Há dias em que tudo me acontece. Ontem foi um desses dias. Levantei-me cedinho e já todo aprumadinho preparava o meu pequeno-almoço. Acontece que, quando ia a tirar um copo de leite do micro e ia a caminhar com ele para a mesa, o mesmo deu um estalito e, quase por artes de mágica, fiquei com o chão da cozinha todo cheio de leite e vidros. Entrei em pânico. Pior foi quando vi que para a além disso a roupinha, que tinha estado a passar a ferro com tanto cuidadinho na noite anterior, estava igualmente toda salpicada. Accionei o plano de emergência, toca de limpar o chão da cozinha, toca de mudar de roupa, não deixando de pensar “o dia começa bem, oh se começa! Com toda essas tarefas acabei por não ter tempo para comer qualquer coisa, de modo que levei uma maçã para o caminho, melhor que nada. Saí de casa à corrida para apanhar o bus e no trajecto não pude deixar de reparar no sorriso dos transeuntes que passavam por mim. Ainda pensei que tivesse vestido algo do avesso com pressa, mas não. Lá continuei. No bus é que me apercebi do motivo dos sorrisos, tinha uma ponta da fralda a sair pelo fecho das calças, qual falo, que se via bem devido ao contraste. “Ai vergonha!”. No meu do percurso o bus avariou. Ainda confirmei se era Sexta-feira treze, ou dia treze. Depois de algum tempo lá consegui chegar ao meu destino. Quando tive um tempinho comecei a roer a maçã e qual não é o meu espanto ao verificar que a mesma estava podre no meio. “Praga!” Comecei a pensar que não me devia ter levantado e o que mais me esperava. Felizmente mais nada aconteceu durante o dia, mas estive até ir dormir na expectativa de mais qualquer coisa... um piano, uma bigorna! E o que pensar depois disto? Em definitivo há dias de azar!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Ofídios

Se há coisa de que tenho medo, medo não, pavor mesmo, é de ofídios. Para quem não sabe esta é a ordem a que pertencem os animais terríveis a que chamamos cobras, serpentes, víboras, etc. Donde vem esta repulsa? Para ser franco não faço ideia. São bichos que, onde quer que surjam, eu desapareço. Aqui há uns anos estava mais uns amigos numa piscina pública e começou tudo a dizer – “Olha uma cobra no relvado!” Eu pensei “devem estar a gozar” e quando me voltei lembrou-me efectivamente de ver qualquer coisa filiforme a rabear no meio da relva na minha direcção. Passados uns 10 minutos deram pela minha falta. Passados uns 15 minutos andava tudo à minha procura. Eu estava do outro lado da piscina, longe, e não me perguntem como lá fui parar, que não me lembro, se acreditasse em teleporte, diria que tinha sido isso mesmo que aconteceu. A simples menção às ditas criaturas coloca as minhas glândulas supra-renais em aquecimento. Gosto muito de animais, mas de ofídios, por favor tenham dó! Isto porque: Recebi um mail com os ditos ofídios...ainda tremo! Mas quem o enviou vai ter resposta...ah se vai!

"hãs" & "ois"

Desde miúdo, mais na escola do que propriamente em casa, sempre me ensinaram a não responder com “hã”. Era feio, ficava mal, dava ares de bronco. Assim sempre procurei substituir tal expressão, por um “diga”, “desculpe”, “perdão”, ou até por uma simples expressão de olhar, “hã” é que não. Tive até uma professora no quinto ano que dizia que chumbava quem respondesse dessa forma. Depois de toda essa formatação, surpreende-me o uso de outra expressão que é recorrente devido aos tempos mais recentes. Os nossos parentes do Brasil têm a tendência ao “oi”, e sempre que oiço isso soa-me tão mal. Quando contactamos e dizemos qualquer coisa que não percebem lá sai o “oi”. Será que não têm outra expressão? É que o “oi” soa-me a versão do “hã”.
PS: É claro que este "oi" não tem nada a ver com o "olá!".

domingo, 19 de abril de 2009

As amigas

O que seria dos homens se não tivessem amigas! A quem se pode pedir conselhos amorosos senão às amigas, afinal elas são mulheres e por vezes quase traem o género ao darem ajuda aos amigos. Pedir conselhos aos amigos em relação às mulheres, é suicídio, a não ser que o objectivo seja enganar alguma pobre desgraçada. Mas quando se ambiciona mesmo alguém, as amigas lá nós orientam, às vezes quase a dar-nos na cabeça, outras a fazerem sentir-nos bem connosco próprios quando a desilusão acontece.
Dedico este post a uma amiga em especial, que muito tem aturado da minha parte e continua sempre pronta a dar-me bons conselhos! Obrigado M.

Desgraças & Desgraças

Alguém me explica porque os homens só se apaixonam ou por mulheres inalcansáveis, ou por mulheres inexistentes? E depois vê-se cada camafeu a andar com as top models e afins! É de pensar "então e eu, então e eu!". A outra versão são os camafeus atrás de nós, uma qualquer desemparelhada que os amigos nos apresentam numa destas noites e nada descaradamente quase que "jogam" para cima de nós. O que fazer, tentar com jeitinho sair da cena, para não magoar ninguém, em particular a desgraçada, que até é simpática, mas quando nos diz que o filme que mais gosta é um em que um cãozinho e um gatinho vão à procura dos donos, o que fazer! Não é que eu seja esquisito em relação a filmes, mas isso em conjunto com o resto da conversa, ou não conversa, deixou muito a desejar! Pronto sei que estou a ser mau, ruim mesmo, mas que fazer, era pior fazer a corte contrariado só para parecer bem. -Antes só que mal acompanhado - lá diz o ditado e com muita razão. Mas e os amigos? Fulos comigo porque nunca mais liguei à rapariga que quase empurrada me deu o nº! Ai como são terríveis estas coisas do amor!!! Mas que fazer! "Depois queixa-te que não arranjas ninguém, esquisito como és!" A procura de quimica é coisa Terribleeee!