terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Carrossel


Há um mundo que não parece o meu, um mundo onde milhares de rostos se cruzam comigo, onde a luz é difusa e não ilumina os meus passos, onde tudo parece descoberto e sem sal, onde o sorriso é apenas um traço físico sem substância, intermitente entre o balançar das estrelas. Este é o mundo onde tudo parece imutável, com sombras bem contrastadas, um mundo onde existes e eu sou apenas um vulto sem graça, um espectador de mim mesmo, onde permaneço imóvel e vigilante, encontrando-se tudo à minha volta num movimento rápido e constante, numa velocidade que não consigo acompanhar, apenas assistir, perdendo de mim próprio o contacto quando me torno activo, quando me deixo ir e tento entrar nesse vórtice onde todos estão. Por momentos pertenço ao mundo, por momentos sei que me consegues ver, mas depois sou cuspido, vencido pelo cansaço e volto ao meu lugar inicial sem nada ter alcançado…

9 comentários:

by "A Invisível " disse...

Caro Terrivel;
Não querendo parecer repetitiva, mais um texto excelente.
Beijinho grande* e continua a destilar através da escrita, esses pensamentos tão profundos e poéticos.

Girl in the Clouds disse...

Terrible, também vou ser repetitiva e dizer que o texto está excelente!!

Kikas disse...

não posso dizer que o texto está excelente, para não as imitar.. mas tu até tens jeito para a coisa, filho! aliás, muito jeito.. e olha, quando se acredita muito numa coisa, luta-se com todas as forças.

L'Enfant Terrible disse...

Kikas
Tivesse eu jeito para outras coisas!

Anira the Cat disse...

Há-de chegar o dia...

Atelier de trapilho disse...

Realmente consegues passar para palavras a tua complexidade interior de uma maneira quase poética!! É fantástico!! No entanto, fico sempre com a sensação de que há uma luta dentro de ti...e difícil...bjs...
Carla

Miss Kin disse...

Isso é o que tenho sentido com a minha vida, por vezes parece que não pertenço...

L'Enfant Terrible disse...

Miss Kin
Sê bem vinda!

Nuance disse...

FANTÁSTICO!!!!