domingo, 3 de janeiro de 2010

Voltar a jogar...

Em certas ocasiões, normalmente quando as coisas correm mal ou menos bem tenho aquele pequeno grande desejo de poder voltar atrás e fazer o necessário para evitar o arrependimento posterior.
Seria bom que a vida fosse como um jogo de computador. Poder-se-ia jogar uma vez e outra para se conseguir ultrapassar um nível. Poder-se-ia fazer pause antes de avançar num nível para visualizar bem o que se avizinha, para se poder descansar, recuperar energias e depois continuar. Seria bom poder jogar uma vez e outra o mesmo nível a fim de se obter a melhor pontuação possível.
É claro que assim a vida perderia a sua piada, a sua essência e provavelmente nunca cresceríamos, nunca ganharíamos a sabedoria necessária para se lidar com a derrota, a perda ou a incapacidade de ultrapassar os erros cometidos. Seríamos seres opacos, sem cor, sem capacidade para perceber que nem tudo se pode obter apenas pelo nosso desejo. Por vezes o que nos desafia aguça-nos a astúcia, mas ao mesmo tempo isso não significa que tenhamos de ser vitoriosos, por muito que nos custe.

8 comentários:

the bloom girl disse...

Belo texto, Seria tudo mais fácil se fosse assim. Mas sem as derrotas e sem erros não aprenderíamos nada. A vida perderia o seu encanto.

Girl in the Clouds disse...

Voltar atrás e saber o que sei hoje, seria óptimo!! Mas, isso não é possível!! No jogo da vida tudo o que se soma é a aprendizagem!! kiss

Corset disse...

se a vida fosse um jogo, com mais do que uma vida, não nos esforçaríamos tanto, não colocaríamos tanta paixão no que fazemos e não iríamos sentir tanto, porque saberíamos que tínhamos sempre 1 ou outra vida a mais de reserva.

Anira the Cat disse...

A vida é mesmo assim... para o bem e para o mal...

izzie disse...

O sempre sonhado reset ou reload... mas com direito a tudo o que já sabemos...

Beijinho,

izzie disse...

O sempre sonhado reset ou reload... mas com direito a tudo o que já sabemos...

Beijinho,

izzie disse...

O sempre sonhado reset ou reload... mas com direito a tudo o que já sabemos...

Beijinho,

Miss Kin disse...

Eu não pedia tanto, mas parece-me mal que só quando já estamos com os pés para a cova é que tenhamos as respostas todas! Gostava de poder nascer a saber e ir perdendo ao logo da vida, perdia um bocadinho, com cada "nível" que fosse passando. Assim quando estivessemos velhinhos e decrépitos, também não daríamos tanta conta e morreríammos bem mais em paz.