terça-feira, 2 de março de 2010

Do que nós pensamos que os outros pensam


Tantas vezes os problemas que temos devem-se sobretudo por estarmos preocupados, não com o que nós somos, mas sim com o que os outros pensam de nós, ou melhor, com aquilo que nós julgamos que os pensam de nós. Quantas vezes não somos levados a deter-nos por pensarmos o que os outros pensam ou podem estar ou vir a pensar? Muitas, talvez demasiadas e mesmo quando dizemos a nós mesmos que não nos interessa isso, que somos autónomos e confiantes o suficiente para nos estarmos a borrifar, temos momentos em que aquilo que a nossa mente traça é um quadro de possibilidades baseadas supostamente nisso. Esse tipo de pensamento é no entanto natural, surge espontaneamente mesmo quando o queremos banir, sendo ele que nos faz retrair, ponderar e por vezes evitar certo tipo de acções que, por serem impensadas, não dariam bom resultado. Contudo do mesmo modo leva-nos à hesitação, à estatização e ao sofrimento porquanto gera um conflito interno dentro de nós mesmos. Infelizmente ainda não conseguimos ler mentes (pelo menos eu não!) o que tem o seu encanto na medida em que podemos esperar tudo de outra pessoa como reacção, mas que outras vezes era bom conseguirmos percebermos um pouco daquilo que vai no pensamento alheio ninguém pode negar!

9 comentários:

Gaja com G maiúsculo disse...

É algo que nos é inato, e quase impossível de controlar e deter.
Geralmente, temos tendência para desculpabilizar comportamentos de outros, pensando que ele ou ela pensou ou sentiu isto ao tomar tal atitude, e quando nos embrenhamos nesse raciocínio é uma autêntica bola de neve, porque quando queremos sair, já estamos tão envoltos que torna-se muito complicado.

Mas uma coisa é certa, raramente advinhamos o que os outros pensam ou sentem, trata-se apenas de um jogo mental e emocional para que não tenhamos que enfrentar a hesitação, e quiçá, a realidade.

Beijinhs meu Terrible

Psiuuuu!!Sou eu! disse...

Aí está um ponto que sempre me passou ao lado (não me perguntes como, que não sei a resposta, pera aí, talvez saiba, meu pai me transmitiu "sê tu mesma, quem gostar de ti vai gostar como tu és" acho que essa base me deu muita confiança),mas é verdade, que olhando para trás é claro que vejo uma outra situação que isso me passou pela cabeça, mas logo se ia, o meu reagir ou dizer nunca tem em consideração o que os outros pensam, talvez ás vezes leva a que não me aperceba o que causou determinada reacção minha. Quanto a ler pensamentos... hmmmm :) ás vezes lê-se, quando se tem uma grande ligação com uma pessoa!
Boa semana!
Bjinho

eu... disse...

É inevitável que seja assim, não vivemos sozinhos. O que não deve acontecer é que isto te castre constantemente.
E ainda bem que não lemos mentes ou adeus espontaneidade...

Anira the Cat disse...

É a velha história... vivemos uns com os outros, e tentamos ser sempre aceites e bem vistos...

Bjokas

Mona Lisa disse...

Essas teorias da mente na maior parte das vezes só nos complicam a vida e influenciam a nossa maneira de ser e de agir, tornando-a tudo menos natural. Enfim...nós, seres humanos,complicamos sempre tudo.

Nirvana disse...

Sinceramente, já me preocupei mais com o que os outros pensam de mim. Neste momento, preocupo-me apenas com o que as pessoas de quem eu gosto, que valem a pena, pensam. Sei que elas mo dizem, por isso não me preocupo e, principalmente, não me impede de fazer ou dizer isto ou aquilo porque já me conhecem.

by " A Invisível " disse...

É um pensamento sempre pertinente. Por vezes pensamos de uma forma inconsciente... "O que será que vai pensar e tal".
Beijinho*

*C*inderela disse...

Vivemos constantemente num 'jogo de expectativas', na qual seria muito vantajoso ter o dom de ler mentes :P Mas cada um é como é e temos que aprender a respeitar as diferenças e sermos nós mesmos independentemente do que os outros pensam.

Bjokas*

Girl in the Clouds disse...

Uma grande verdade!!