sexta-feira, 26 de março de 2010

Livros, pessoas e relações


Muitas vezes lemos livros de forma voluntária, pelo assunto, pela forma como estão escritos, pela capa ou título que nos atrai e nos leva à criação de uma ligação que nos absorve sem que ninguém nos tivesse obrigado à mesma.

Mas tal como os livros são algumas relações, visto que um livro é um ser inerte do qual retiramos um prazer pessoal, próprio e intransmissível, que percebemos que sentimos mas não sabemos explicar, sem que o outro, por seu lado seja de algum modo activo, pois não sente, não se altera pelo gosto que temos por aquilo que carrega, conserva dentro de si e transmite para o exterior.


Contudo, o mesmo livro, se fosse lido de forma obrigada, porque se tem de conhecer o seu conteúdo, retira de nós parte da paixão e prazer pela leitura do mesmo, não que deixemos de a ter, mas a pressão com que nos confrontamos retira parte do brilho que raia nos nossos olhos quando nos damos a esse acto de pura espontaneidade.
De igual forma acontece o mesmo com as pessoas. Quando gostamos de alguém é pela sua capa, conteúdo, o qual lemos de forma livre, sem nos sentirmos obrigados nem forçados a nada, porque é algo instintivo, inconsciente, da mesma maneira que é quase contra natura quando as circunstâncias nos levam a estar com alguém, por obrigação, por vontade alheia à nossa própria.

9 comentários:

Rapunzel disse...

:)

Gaja com G maiúsculo disse...

Isso é inato ao ser humano, digo eu. Nenhum de nós tem o mesmo prazer a ler algo, a fazer um trabalho, a conviver com alguém, quando o fazemos por obrigação, penso que isso suga a naturalidade das coisas, que corta os possíveis caminhos e desfechos que eventualmente poderia vir a ter.

Beijinhos Grandes

Carolina Tavares disse...

Concordo com você nos dois pontos de vista, tanto quanto sobre os livros e a leitura quanto as pessoas e a convivência. O melhor seria fazer o que gostamos, mas nem sempre isso é possivel.

L'Enfant Terrible disse...

Carolina Tavares
Sê bem vinda!

Nirvana disse...

Bela analogia, Terrible.
Tudo que seja feito por obrigação está condenado, à partida, a ser feito sem vontade, sem prazer em fazê-lo. Seja o que for. Seja onde for.
Estar com alguém por obrigação é muito mau, para todos. Para quem tem de estar e para quem está.
Beijinhos

Anira the Cat disse...

Tudo o que é forçado não é natural, nem se faz com gosto...

Bjokas

Anira the Cat disse...

Tudo o que é forçado não é natural, nem se faz com gosto...

Bjokas

by "A Invisível" disse...

Querido Terrible;

Na minha opinião, tudo aquilo que não flui de forma natural, vai condicionar-nos na entrega.

Beijinho grande*

Girl in the Clouds disse...

Gostei do teu ponto de vista Terrible, e concordo com o Invisível, o que não é natural....não flui!!