domingo, 6 de junho de 2010

Aquilo que se diz


Há coisas que penso e não deveria dizer, mas digo-as vezes demais, porque não as consigo conter cá dentro, porque germinam de uma forma espontânea que quero controlar mas não consigo, envolvendo-me as ideias, as frases, as palavras nos contextos mais inesperados. É deste modo que perco-me aos poucos, causo a estranheza alheia e dá-se uma estranha luta dentro de mim entre o remorso aparente e a liberdade de ser quem sou, a estranha vontade de ser imperfeito para daí colher a perfeição de ser simplesmente humano.


Há coisas que não deveria dizer, talvez. Mas tudo se pode dizer, o problema é escolher e saber esperar pela conjuntura onde aquilo que se diz, por mais inominável, seja de alguma forma compreendido. Ou então é preciso aprender a resistir à tentação de tudo expor, porque há coisas que devem ser guardadas dentro de nós para o nosso próprio bem.

4 comentários:

Mona Lisa disse...

Sê quem és e diz o que quiseres dizer, sem culpas ou remorsos. beijo

by "A Invisível" disse...

Talvez o problema por vezes seja pensar demais. Cobrar demais de nós próprios, e não deixar as coisas fluírem naturalmente, sem represálias da nossa parte.

Beijinho grande querido Terrible*

Gaja com G maiúsculo disse...

Ora bem... eu faço parte do teu clube, digo tudo o que sinto, penso, que me inunda a alma, porque somos assim, mas por vezes a verdade é que saímos a perder. Aprendi algo, devemos guardar sempre algo apenas para nós...

Beijinhos Amigo

Nirvana disse...

É por isso que agora ando com um agrafador na carteira. Quando começam a sair aquelas frases que valia mais estar calada, está logo ali à mão! Uns agrafos na boca para não me arrepender por falar demais!
Beijinhos :)