quarta-feira, 2 de junho de 2010

Intenções

Por vezes temos desejos ou simples vontades que não sabemos compreender. Queremos apenas, sem se saber conscientemente o porquê, a razão concreta e analítica para pensarmos em dar-lhes corpo. Em concreto temos uma ideia, mas muito pouco definida, uma razão que foge aos domínios do próprio pensamento que apenas se manifesta na intenção.
E como se explicar isso? E como responder então à pergunta do “porquê” que soa com toda legitimidade tanto da nossa parte como dos outros?
Talvez o ideal era responder que é apenas isso, que é algo indefinido, sendo que essa era a resposta mais verdadeira de todas.
Mas se já é tão difícil acreditar naquilo que é consistente e racional, mais difícil ainda é acreditar no que é irreal e indefinido, porque há sempre a desconfiança que isso sirva apenas para se esconder ou deturpar um propósito que até a nós nos escapa.

3 comentários:

Anira the Cat disse...

As intenções são sempre difíceis de provar... exactamente por serem assim, indefinidas.

Bjokas

by "A Invisível" disse...

Muitas vezes, muita coisa que sai do nosso campo de palpável, torna-se de difícil compreensão.

Beijinho e bom feriado*

Nirvana disse...

Quantas vezes o definido se torna completamente indefinido também?
Outras, o que começou por ser indefinido vai-se tornando cada vez mais definido.
Muitas vezes as coisas, situações acabam por se definir por si próprias.
Beijinhos :)