segunda-feira, 7 de junho de 2010

Viver


Viver é encontrar, perder, olhar e não ver, sentir, sonhar, percorrer todos os caminhos e não saber encontrar nenhum, é desistir e voltar a tentar, saber ir, mas não saber regressar. Viver é conhecer sabendo que se desconhece, descobrir sem procurar, é mais do que respirar, mais do que sentir ou fazer. Viver é tudo e não é nada, é a lágrima que não cai e o sorriso que se inspira, é o tacto que se descobre mas não sente, é um incêndio que não se sabe conter, mas não se quer apagar. Viver é uma conjunção de contradições, que limitam e que expandem num momento único, súbito mas infinito, tal como o universo que se procura igualar na nossa consciência tão imperfeita, mas tão completa de emoções que nos confundem, que nos abrem os olhos para um oceano de mistérios que nos viciam e fazem sofrer, mas também nos fazem ter consciência de tudo o que temos e que é único, como os momentos de alegria que tudo fazem esquecer.

No fundo, tudo se resume a estar vivo, o que mais não é que lidar com um conhecido desconhecido.

2 comentários:

sakura disse...

Gostei imenso deste texto :)
Viver é muito bom, por mais obstáculos que nos apareçam no caminho. Porque nada se compara aos dias que passamos a sorrir, que apagam todas as tristezas.
Viver é um mundo de contradições. Mas é nesse mundo que quero estar :)

Nirvana disse...

Não sei dizer de qual dos teus textos gostei mais. Já li muitos que gostei mesmo muito. Este é um deles. Definir viver é quase como querer agarrar o ar. Viver é tudo isso, às vezes tão definido, outras tão complexo, tão contraditório, tão tudo!
Beijinhos :)