domingo, 11 de julho de 2010

Falar


Saber falar é uma virtude que nem todos têm. A expressão, o modo como se faz é meio caminho andado para se abrirem todas as portas. Uma boa argumentação, em tom bem colocado, associado a um raciocínio rápido e directo permite que alguns se destaquem no meio de uma multidão, que pode saber falar, mas não sabe comunicar. As palavras certas são uma coisa muito difícil de encontrar, para alguns são diamantes, para outros, poucos, são como areia, algo tão comum e simples que se dispersa pelo ar com toda a facilidade e naturalidade. Uma boa memória e um vasto vocabulário ajudam, mas por vezes complicam na escolha, entupindo e desconcertando o resultado final, demasiado pomposo, demasiado complicado e pouco sugestivo. Falar é também sentimento mais do que simples sons proferidos com determinada sequência e frequência. Falar expressa, se o soubermos e deixarmos, mais do que proferir, mesma palavra ou frase pode valer mais porquanto o ênfase que lhe colocamos. Mas saber falar é um dom, não disponível a todos, que muitas vezes só se atinge fora do tempo e do lugar em que valeria por mil, em que teria a sua total dimensão, expressando tudo o que somos, interna e externamente de uma forma audível que ressoaria de modo que não deixaria equívocos.

6 comentários:

Carolina Tavares disse...

Ah Terrible dos seus post este é o que de longe mais gostei. Parabéns!
(Achei a ilustração muito forte.)
Tenho pensado muito no tema comunicação e pretendo elaborar um post a qualquer momento.
Uma boa semana para ti. beijos.

S* disse...

Eu prefiro mil vezes escrever... comunicar, falar em público nunca foi a minha praia.

'Mimi disse...

Saber falar é um dom. Treina-se mas sobretudo nasce ou não connosco...

Por isso é que depois em retrospectiva às vezes ficamos a pensar "o que eu devia ter dito era ..."

*C*inderela disse...

Concordo, saber falar é um dom. Infelizmente não tenho esse dom, nunca serei uma boa 'oradora' mas quem o tem é música para os ouvidos. Há pessoas que têm o dom da palavra.

Bjokas ****

Marta disse...

Pois...eu às vezes precisava de ter espinhos na boca...nem sempre digo o que quero e depois...é tarde demais.

GATA disse...

Eu tenho fases: se a coisa flui, falo muito bem; se a coisa não flui -e as palavras atropelam-se no cérebro- nem sequer falo! Mas admito que não sou uma oradora nata.