domingo, 8 de agosto de 2010

Pensar


Pensa-se, sabendo-se que não se pode pensar, porque pensar é saber que nada vai acontecer, mas não pensar é impossível. Tenta-se oprimir, encara-se tudo com pessimismo para que se possa contrariar o pensamento, negando-o, optando-se por outro lado por esvaziar todos os pensamentos, mas dá-se uma luta, entre vectores, que se tocam, que se agridem e deseja-se a amnésia, perder toda e qualquer imagem, real ou ilusória. Mas sabe-se que pensar, de uma forma ou de outra, acaba por acontecer, como uma faísca eterna que permite a ilusão, o optimismo se nos deixar-mos ir, contudo sabe-se, que basta pensar para anular a realidade, porque pensar é sonhar, é resolvermos sozinhos uma equação que não depende só nós e por mais variáveis que possam introduzir a única conclusão a que se chega é que tudo acabará por ficar sempre na mesma, porque tudo começa da mesma forma devido à ponderação de um único pensamento e somente no seio do acaso, do improviso, é que algo pode suceder de forma diferente.

3 comentários:

Miss Kin disse...

Sem tirar nem pôr. Dava jeito um botão de on/off...

Atelier de trapilho disse...

Às vezes lembras-me Fernando Pessoa, mas em prosa...ao teu estilo, é claro. Mas já ele andava à volta deste assunto, que é bastante complexo...eu concordo com os dois "Pensar incomoda como andar à chuva" (A. Caeiro)
Beijinhos
carla

GATA disse...

Pior que pensar, é sentir... Por vezes queria nem pensar nem sentir!!!