segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Enganos


O engano parte do erro, da má interpretação, da decisão rápida e não pensada, parte de variadíssimos lugares, mas no fundo o engano parte sempre da nossa humanidade e da facilidade com nos equivocamos. O engano é persistente, revela-se um Pirro constante, uma espinha ou farpa que nos acompanha, seja pela sua manifestação, seja pelo medo que nos provoca levando ao pensar e reflectir das nossas acções. Contudo, o engano maior parte do súbito, parte do momento que requer um reflexo imediato, palavra ou frase pronta a ser emitida, nascendo sem se perceber e depois ri-se pelo efeito que provoca, o qual se espelha no labirinto de remorsos que sucede à nossa frente. O engano pode ser controlado, pode ser afastado e mantido preso, mas para tal é preciso um grande exercício, um grande treino, um estado permanente de alerta, nunca baixar a guarda, mas eliminá-lo é impossível, porque o seu desaparecimento seria o desaparecimento de nós próprios enquanto humanos que somos. Há quem consiga viver com o engano, quem saiba dominar o mesmo, mas muitos poucos são aqueles que conseguem distinguir nos outros o que são enganos deliberados e enganos acidentais. Mais difícil ainda é permitir-nos perdoar ou corrigir os enganos, seja em nós, seja nos outros.

6 comentários:

Marta disse...

Hum...eu não lido bem com a minha inteligência emocional à segunda. Sinto-me rabugenta e o mundo parece conspirar contra mim. Mas lá está, pode ser um engano, a minha percepção de segunda feira não é lá grande coisa.

hierra disse...

Os que nos enganam muitas vezes tb não ajudam nada ao perdão!

S* disse...

Não gosto de admitir os meus mas, se isso implicar magoar alguém, peço logo logo desculpa e tento voltar atrás.

Ivania santos By DIAMOND disse...

Belo post!!

Deixa-nos a pensar...

L'Enfant Terrible disse...

Ivania santos By DIAMOND
Sê bem vinda e obrigado!

100 remos disse...

Como diria a Joss " got the right to be wrong!"

Bj