quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Vontades


Por vezes tenho uma vontade indómita de ir e não voltar, de procurar e não encontrar, de encontrar sem procurar, se rir e ao mesmo tempo de chorar, de sentir tudo sem sentir nada, de ter tudo e nada, de andar sem destino e perder-me sem sair do trilho, de olhar sem ser visto, de ser visto sem olhar, de cair sem me levantar, de me levantar sem cair, de sair do ritmo sem me descoordenar, de apanhar o ar com uma mão e deixar-me esmagar pelo peso atmosfera, sentir-me ao mesmo tempo leve e pesado, a respirar e a asfixiar. Por vezes tenho uma vontade indómita de viver apenas por viver, de ter consciência que o aqui e agora aconteceu, acontece e acontecerá, apenas se o conseguir perceber a tempo de o saborear, de o sentir para não o perder e guardar um pouco de toda essa vontade para uma altura em a mesma parece faltar tal como por vezes o ar parece extinguir-se.

6 comentários:

Margarida disse...

Muito bom :)
É assim mesmo que somos... Uma confusão de quereres e sentires.

Adorei :).

Beijinho

hierra disse...

todos temos essa confusão de vontades e ainda bem!

S* disse...

Saborear o momento sem pensar no que aí vem... gosto.

GATA disse...

Por vezes (muitas, ultimamente) também tenho uma vontade indómita de ir e não voltar... E hoje tenho uma vontade indómita de matar uma certa pessoa!!!

hierra disse...

Gata,

Desde que não seja eu...por mim tudo bem, siga...n o faças no meu blogue porque eu tenho horror a sangue, vale?

Marta disse...

Tenho vontade de nascer de novo e começar tudo outra vez...