sábado, 11 de dezembro de 2010

O Natal dos Hospitais!


O Natal dos Hospitais é aquele evento que me lembro de existir desde sempre. A ideia é boa, levar algum conforto e solidariedade através de uma mostra de em jeito de espectáculo de variedades para aqueles que infelizmente se encontram confinados pelas mais diversas razões aos espaços hospitalares. Contudo a ideia de levar “conforto” e sobretudo solidariedade tem a meu ver alguns pontos que nada têm de positivo e falo como é óbvio das escolhas musicais que normalmente são mostradas. Senão veja-se, a maioria são “artistas” do meio popular os quais nos habituamos a ver durante todo o Verão por essas terriolas fora em festas e até comícios políticos. Logo por aí a ideia de espectáculo de “variedades” pouco trás. Depois temos os artistas que já são prata da casa, gente tão ilustre como Marco Paulo, Ágata e José Cid dos quais nada se sabe (como o pessoal do circo) a não por ocasião deste evento, isto certamente porque provavelmente a maioria dos “fãs” dos ditos “artistas” estão internados em hospitais e deve ser por isso que Marco Paulo interpreta sempre aquela música do “maravilhoso coração”. Pois, é bom que se seja “maravilhoso” mesmo porque se fosse o meu certamente devia deixar de bater com tal apresentação artística!
Obviamente e não generalizando, o espectáculo em si mostra muitos outros nomes da cena artística portuguesa, até para além de músicos, mas parece-me que o grosso vem desse filão musical. E eis que surge a minha pergunta: Será aquilo uma forma para induzir à cura acelerada a quem está ao vivo a assistir? Sim porque ter de assistir a uma sessão non stop de espectáculo e não sei quantas horas põe qualquer um doente e mais vale ficar logo bom para conseguir fugir, porque em cadeira de rodas, numa maca, ou com tubos ligados ao corpo das mais variadas formas não se pode fugir de todo! Tenho sempre a ideia que a dita emissão é um pouco paralela a uma cena do do filme “Laranja Mecânica”, obrigando a assistir quem quer e quem não quer a tudo o que passa só pelo “pecado” de estarem doentes! E depois não se ficam por um hospital, correm vários! Ou seja, a coisa alastra-se sem dar margem de manobra para fugas!
E por fim a juntar a isto temos a concorrência. Sim a concorrência porque os outros dois canais portugueses disputam com a RTP as audiências e logo em vez de um Natal dos Hospitais, levamos com três Natais dos Hospitais e quase que aposto que para os ditos “artistas” é uma maravilha já que assim em vez de um caché levam três! E é nesse "atropelo" entre os três canais que verifico o quão grande é a solidariedade existente e a preocupação pelos outros por parte dos mesmos.

Pois é que a "solidariedade" é bonita, mas sobretudo vende, faz subir audiências e por certo que os dividendos oferecidos a quem precisa por estas ocasiões ficam muito aquém do lucro obtido pelos canais televisivos!

4 comentários:

A Minha Essência disse...

Pois... vão por contornos que não interessa nem ao menino Jesus! :S

GATA disse...

Quem é solidário, é o ano todo e não apenas no Natal. Porque gente doente e com fome há 365 dias por ano!

O Natal dos Hospitais e o Festival da Canção fazem parte das memórias de quem viveu apenas com 2 canais, ambos do Estado.

Girl in the Clouds disse...

Hoje em dia tudo serve para marketing, venda!!
Mas, o Natal dos Hospitais já é daquelas coisas emblemáticas, sem a qual não há Natal!!

verde tangerina disse...

para quem está doente talvez seja melhor ouvir a Agata do que a Mariza, Ana Moura ou o Rui Veloso...deves querer ouvir tudo menos coisas tristes...e se por momentos conseguires esquecer que estás num hostpital e te inaginares num pequeno arraial, já terá valido a pena o "cocktail pimba" :)