sábado, 29 de janeiro de 2011

A impaciência e o egoísmo


Não somos pacientes. Queremos tudo e queremos agora, não pode ser depois tem de ser já, em quantidade e qualidade superior, porque à mais pequena imperfeição ou quantidade diminuta esquecemos de imediato ou não continuamos porque outra coisa surge e depressa nos falta a paciência.
Somos egoístas, mas também dependentes, vivendo de um egoísmo que ao invés de nos completar apenas nos incompleta mais, deixando-nos sem sentir, sem sabor, num tormento inaudível que nos torna surdos e mudos. Sabemo-lo, conscientemente, mas não o admitimos e muito menos sabemos lidar com isso, de modo que tudo anda em desequilíbrio longe de purgar essa atitude, essa forma de ser e estar que existe reproduzindo-se, não pelo que nos é ensinado, mas sim pelas experiências que temos ao longo da vida.
O egoísmo e a falta de paciência transformam-nos apenas em meros peões, figuras anónimas no meio da tantas outras que correm à pressa guiadas por uma fome interna que a todos deixa cegas e ásperos.

1 comentário:

'Mimi disse...

E exigimos o "tudo, agora e perfeito" aos outros mesmo quando não damos em troca