sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Fazer o acertado


Enganam-se aqueles que julgam que por planear conseguem acertar, ou que a pontaria vai ser certeira e não pode falhar. Enganem-se aqueles que pensam que ao retirar as impurezas emocionais, ao ponderarem algo de forma puramente racional, julgando ser essa a chave para o controlo absoluto de todo o processo, treinando, testando, criando todo o tipo de cenários possíveis e imaginários, vão realmente atingir o sucesso. A ciência é exacta, mas não na sua totalidade, nem que seja pelo facto de ser criada e produzida por humanos. O mesmo aplica-se a qualquer outra coisa que possamos fazer e somos sempre tentados a trocar a emoção pela razão, não que os sentimentos não sejam perniciosos, mas porque a razão nunca é absoluta. É preciso equilibrar, aprender a jogar mais com uma parte por vezes e misturar puramente as duas na maioria. Por mais lógica que seja uma resposta há sempre o factor da imprevisibilidade que pode igualmente provocar o efeito contrário, seco e sem sabor que a razão traduz, contrariando a profundidade e o vigor das emoções, dos sentimentos, que em demasia dão-nos a aparência de loucos. Tudo requer a dose certa e não há fórmulas precisas porque se assim fosse tão fácil seria perdermo-nos na loucura da emoção ou na frieza da razão.

5 comentários:

Psiuuuu!!Sou eu! disse...

O problema é exactamente esse encontrar o ponto de equilibrio, mas essencial sem duvida, eu por exemplo sou mais emocional, sentimental e tenho como amigos mais chegados pessoas extramamente racionais e vejo o quão negativo é, tanto um como outro extremo.
Mas a vida também é uma escola, a qual nos vai ensinando, se deixarmos, a encontrar esse ponto de equilibrio.
Bom fim-de-semana :)

GATA disse...

Ai, perdi-me no meio do texto! Mas deves ter razão... ou não! :-)

hierra disse...

E depois há quem viva uma vida de mosteiro, tudo acertadinho porque se está ali abrigado da vida e qdo surge o primeiro tentação...zásssss! Viver acertadamente dificilmente se consegue, nem sei se é bom, o ideal é tentar equilibrar, mas para isso é preciso sair da zona de conforto....

S* disse...

Ponto de equilíbrio... é meio complicado encontrar... mas julgo que conseguimos encontrá-lo se ponderarmos bem.

A Minha Essência disse...

Temos que ter a mente sã senão esquece! ;)