sábado, 5 de fevereiro de 2011

Más companhias


Um amigo meu meteu-se em tempos com gente duvidosa. Primeiro afastaram-no dos amigos, tornando-se eles próprios os seus amigos. Depois afastaram-no da família. Da parte dele queriam dinheiro em troco de uns produtos que tinha de adquirir de tempos a tempos. Inicialmente andava contente com aquilo, mas depressa deixou de se ver. Só aparecia junto aos amigos e da família para lhes pedir dinheiro, porque tinha dívidas para pagar sendo que as mesmas aumentavam ao mesmo tempo que a sua cegueira também. Quando bateu no fundo e teve de vender o carro e alugar a casa para cobrir as despesas é que voltou a si. Abriu os olhos e com ajuda da família e dos amigos lá endireitou novamente a vida.
Se neste pequeno resumo colocasse a palavra droga toda a gente pensava tratar-se de uma história de toxicodependência. Contudo não foi droga, ou melhor foi, mas uma dos tempos modernos, encapotada por fórmulas de marketing e publicidade selvagens que faz pensar que qualquer um pode ganhar dinheiro rapidamente, tendo para isso de investir aí o seu dinheiro para nunca mais o ver, convencendo para isso os candidatos com conferências cheias de glamour e espectáculo mas sobretudo psicologia, onde a frase chave é: Os vossos amigos vão dizer que isto é tudo uma treta. É tudo uma fachada para enganar os incautos, desatacando-se para isso supostos vendedores que mostram como atingiram o topo apresentando para isso os bons carros que conduzem e outros itens de valor, tudo por terem percorrido o mesmo caminho que apresentam aos candidatos. Como posso correr o risco de levar algum processo judicial em cima não vou dizer o nome da empresa que faz isso e como ela devem haver tantas outras que prometem dinheiro fácil a partir de casa. Mas só para dar uma pista tem a ver com ervas ou coisa do tipo!

3 comentários:

'Mimi disse...

Tudo promete dinheiro fácil. Só que ninguém fala do senão...

GATA disse...

Isto faz-me lembrar a 'lócura' d'O Segredo! Milagres??? Só nos filmes!!!

Anira the Cat disse...

Por vezes, parece que as pessoas esquecem que o dinheiro não cresce nas árvores... nem nas ervas.

Bjokas