quinta-feira, 3 de março de 2011

Dizer


Dizer que se gosta de alguém é complicado. Complicado porque não se pode dizer assim, a cru, a frio, de rajada, porque tal perde toda a poética bem como toda e qualquer magia, simplesmente porque se algo é dito assim perde a credibilidade e mais parece que se está a recitar de um livro qualquer uma fórmula muito usada. Não que algumas frases não sejam adequadas, mas a forma como elas são colocadas, a quantidade das mesmas utilizada e todo o resto que faz a ocasião conta. Infelizmente nem todos são poetas e muito menos magicos, nem todos estão inspirados ou conseguem produzir um momento em que, qualquer coisa que se diga, mesmo que simples e directa, seja aceite pela outra parte. Há um momento e uma forma para se fazer tudo mas também um caminho que se constroi. A forma não se deve aprender mas sim sentir e por vezes sente-se mas não se sabe explicar bem o quê, já o momento e o caminho são são mais complicados de encontrar e construir, mesmo quando o sentimento é genuíno, de tal forma que gera a atrapalhação, daí que muitos se precipitem alienados que estão por julgarem que nunca mais vão obter outra oportunidade e no desespero, ainda no inicio do caminho, acabam por proferir frases feitas por não saberem ou conseguirem outras pronunciar, perdendo assim a ocasião e fechando o caminho para nunca mais o conseguirem recuperar.

6 comentários:

taio disse...

interesant

A Minha Essência disse...

Essencialmente temos que efectivamente sentir, verdadeiramente o que queremos transmitir. Não só porque sim! Até porque se nota diferença do que é dito genuinamente e não. Capta-se.

Kiss

Vanda disse...

Oi :)

Já leio o blog há algum tempo, mas não costumo comentar (falta de paciência), mas hoje está a apetecer-me.

Não concordo contigo. Não acho que haja um momento tão errado para se dizer que se gosta de alguém que, ao fazê-lo, se fecha para sempre o caminho. O que acho é que ou a pessoa gosta de nós ou não gosta. Se gostar, não interessa quando é que lhe dizemos que gostamos dela, ela vai corresponder. Se ela não gostar, há duas hipóteses: ou o que dissemos tem algum impacto e a pessoa começa a olhar para nós de outra forma, talvez porque até goste um pouco de nós e nunca tinha reparado, ou a pessoa se afasta. Se a pessoa se afastar, não gosta de nós e nem considera a hipótese de vir a gostar. Nesse caso, na minha modesta opinião, não interessa quando é que dizes que gostas, a pessoa simplesmente não vai corresponder...

S* disse...

Já eu sou o oposto... demasiado poupada com as palavras.

ADEK disse...

No contexto do post parece-me que te estás a referir ao "gostar" romântico, com interesse em manter uma relação amorosa... Aí posso concordar que seja difícil, não tanto dizer, mas perceber quando será o momento oportuno para o fazer. Mas geralmente o momento oportuno surge quando já foi dito, não por palavras mas por gestos e atitudes. E aí, as palavras só vão complementar o que o outro já sabe, não?

GATA disse...

A mim custa-me dizer que gosto de alguém, até aos amigos!