sábado, 12 de março de 2011

Geração à Rasca


Antigamente havia a "Geração Rasca", termo simpático atribuído pelos nossos políticos a uma juventude que não respeitava as normas instituídas num país ainda cheio de muita moral e bons costumes. Para os que mandavam essa geração mais não era que um bando de maltrapilhos que faziam ruído que soava pouco alto junto dos mesmos. O problema dessa geração rasca é que muitos se politizaram, entregaram-se voluntariamente ou foram mesmo requisitados para as fileiras partidárias que aproveitaram a sua energia para se fortalecerem e assim muitos desenrascaram-se sendo possível vê-los escondidos em bons empregos, onde ninguém sabe o que fazem. Como esta geração muitas outras, anteriores e posteriores, encontram-se assim, com bons ordenados, com bons carros, vivendo à custa do Estado, tendo como única obrigação pagar as cotas do partido e estar sempre do seu lado para fazer o trabalho sujo deste.
Hoje diz-se que uma nova geração acordou, mas na verdade ela não é nova nem é uma geração. São várias, misturadas e não se traduz apenas numa faixa etária determinada, estendendo-se antes às demais, àquelas que sempre estiveram na mó de baixo, que batalharam e continuam a batalhar, que querem produzir e lutaram seja pelo esforço do trabalho ou do estudo para o fazer, mas viram-se impedidas por toda um sistema corrupto que cria barreiras com a finalidade de proteger os seus infantes, os seus príncipes que mais não são do que uma praga de gafanhotos que se escondem sob a capa da Democracia, mas que toda a gente já percebeu tratar-se afinal de uma Corruptocracia, onde a cunha vale mais do que um diploma, onde a incompetência é normal tal como é normal a normalidade ser podre, desigual e injusta para todos. Os factos de hoje não são estranhos ao passado, as palavras de ordem também não, contudo a diferença é que os intervenientes são mais e estão dispostos a riscar do mapa o poder institucionalizado por esses centros de emprego e distribuição de dinheiro que são os Partidos Políticos, restando saber se o conseguem fazer ou apenas se vão deixar engolir por um monstro que tudo devorou durante décadas. Não sei se esta geração à rasca, mesmo consciente, terá capacidade de mudar as coisas, mas tenho esperança que pelo menos possa abalar o sistema. As consequências da sua acção está dependente de até onde pretendem ir e dos motivos que os levam a fazerem-se ouvir e mostrar, se o fazem porque acreditam num futuro melhor ou simplesmente porque deixaram de acreditar em tudo.

4 comentários:

*C*inderela disse...

concordo com tudo. muito possivelmente não vai mudar nada com este protesto mas ao menos lutamos pelos nossos direitos e esses politicos vêm a crescente insatisfação dos jovens.

bjokas*

hierra disse...

Concordo, pelo menos as pessoas não devem ficar caladas, o que neste país acontece sempre!!!

Blair Randall disse...

E mais uma vez revejo.me neste texto!

O meu pai fez parte da geracao rasca e agora eu estou no à rasca!

xoxo

GATA disse...

Só mudam as moscas...