terça-feira, 8 de março de 2011

Tempo e fases


Embora o desenrolar da nossa existência se possa processar sem sobressaltos de maior, sempre no mesmo marasmo rotineiro, surgem fases que se alternam entre si de modo abrupto. Num momento mal arranjamos tempo para o que quer que seja e quando terminamos algo logo outra coisa sucede sem que haja tempo para pensar. Noutro continuamos a ter demasiadas coisas para fazer, algumas mesmo inventadas na outra fase para dar resposta à necessidade de mexer continuamente, mas vontade e apetite para as mesmas parece ter-se entretanto extinguido, assim do nada, subitamente e o tempo passa devagar e sem graça, sem ser aproveitado, onde a fraqueza parece apoderar-se de nós, ao mesmo tempo que pensamos em demasia sobre tudo e sobre nada, queremos sair mas parece que nos afundamos ainda mais e de súbito voltamos ao outrora, sem saber como, apenas porque sim, como se o ontem fosse há demasiado tempo para nos lembrarmos.

3 comentários:

A Minha Essência disse...

Sabes, neste post só encontro resposta pela via do porque sim. Somente isso. Porém, se formos a ver já é tanto...

Kiss ;)

Cláudia Matos disse...

»-------O tempo passa a correr----«

GATA disse...

O tempo passa demasiado depressa para tudo (ou, pelo menos, grande parte) o que eu gostaria de fazer na vida...