segunda-feira, 18 de abril de 2011

Avançar

Avança-se, não quando se tem dúvidas, mas sim quando se tem a certeza. Avança-se não quando se tem de partir, mas sim quando já se chegou. Decide-se quando já se decidiu e não antes de se pensar em decidir. Mas tanto avançar como decidir não nos mostram o caminho, sabe-se apenas o que se quer obter, onde se quer chegar, mas muito pouco sobre o como lá chegar e o que fazer depois de lá chegar. Era bom decidir e chegar, avançar e atingir o destino, assim, no momento, sem grandes divagações ou pensamentos, fazer e acabar, clicar no botão e acender a luz sem especular, sem teorizar, sem nada para atrapalhar o gesto e a acção. Apenas e só decidir e avançar, sem perguntar sequer ou temer o depois, tomando como concreto o objectivo, o destino. Mas não poucas vezes isso acontece e depois percebe-se o erro, o engano e tudo mais que não se esperava ou então permanece-se no ponto inicial, carregado pelos remorsos que ainda vão vir, os quais somam-se àqueles que se carregam por não se decidir ou avançar. 

9 comentários:

Margarida disse...

E, sem avançar, se fica paralisado numa confusão imensa...

Utena disse...

A Olivia tem razão vale a pena ler-te.
Vou passando...

S* disse...

Mas vale avançar... e se correr mal, emenda-se.

Eva Gonçalves disse...

Não faço ideia porque ainda não te tinha vindo visitar... coisas...
Se a vida fosse fácil... chamava-se outra coisa qualquer! :) Voltarei! abraço

Cacarol disse...

O uso de moluscos gastrópodes (caracóis) para estudos neurobiológicos é vantajoso porque o seu sistema nervoso e comportamentos são intermediários em complexidade quando comparados a outros animais. Os padrões de atividade derivados do sistema nervoso central são modulados por informações periféricas provenientes de vários quimio e mecanorreceptores, os quais desempenham funções importantes na manutenção da homeostase interna. Assim, juntos, elementos centrais e periféricos permitem ao animal modular seu comportamento respiratório de acordo com suas demandas metabólicas. O objetivo deste trabalho originou-se da necessidade da compreensão da atividade respiratória do caracol pulmonado terrestre Megalobulimus abbreviatus, da identificação dos neurônios do sistema nervoso central envolvidos no seu controle, bem como da organização da inervação de uma estrutura-chave envolvida no comportamento respiratório deste animal, o pneumóstoma. Realizou-se a identificação dos neurônios do SNC que controlam o PNEUMÓSTOMA através de marcação retrógrada pelo nervo parietal posterior direito com cloreto de cobalto e biocitina; a descrição da morfologia e da histologia da região do PNEUMÓSTOMA, assim como a análise da presença de monoaminas, atividade acetilcolinesterásica e de imunorreatividade a FMRF-amida nesta região. Também foi realizada a investigação sobre uma provável relação entre o sistema dopaminérgico, serotoninérgico e peptidérgico com os neurônios identificados por marcação retrógrada nos gânglios nervosos centrais, através da comparação entre os neurônios retrogradamente marcados com neurônios imunorreativos à tirosina hidroxilase, serotonina e FMRF-amida. Neurônios retrogradamente marcados foram encontrados nos gânglios pedais, pleural direito, parietal direito e visceral. Encontrou-se na superfície do tegumento do PNEUÓSTOMA um epitélio constituído de uma única camada de células cilíndricas, com microvilosidades ou cílios como terminação apical, envolvido por uma camada muscular bem desenvolvida. Foi possível verificar que a organização da inervação na região do PNEUMÓSTONA está constituída de uma rede neural para suprir a camada muscular e ramos neurais mais finos que estão mais densamente distribuídos em um plexo na camada epitelial e subepitelial adjacente, onde corpos celulares neuronais foram identificados. A análise do padrão de inervação do PNEUMÓSTONA, juntamente com os dados da comparação entre neurônios retrogradamente marcados e imunorreativos no SNC, permitiu concluir-se que o neuropeptídeo FMRF-amida parece ter uma grande importância na regulação motora da região do PNEUMÓSTOMA, assim como a 5-HT, que provavelmente possui uma função motora ou modulatória nesta região, enquanto que a participação da dopamina no controle respiratório deve ser principalmente sensorial, responsável pelas informações provindas do tegumento do PNEUMÓSTOMA.

Olívia Palito disse...

Cabecinha pensadora... ;)

Boa semana. Beijo (Plantador de batatas!) :D

Isis disse...

Antes avançar do que ficar presa ao "e se...?"

A Minha Essência disse...

Avançar sempre! O que correr mal se contorna. :)

Kiss

GATA disse...

Eu avanço... mas devagar, que já não tenho idade para velocidade...!