domingo, 17 de abril de 2011

Pensar e não pensar

Durante toda a vida procuramos pensar em tudo, em todos os pormenores, em todas as coisas, sempre com receio de esquecer ou não prestar atenção em algo importante. Enchemos a cabeça de horários, de tarefas, de planos, de memórias, de toda uma logística onde se algo falha, tudo falhará. Daí que tantas vezes o único desejo que temos, ao invés de nada esquecer, seja ter um para não pensar, ou não pensar de todo, porque tal é igual a esquecer os problemas, as perguntas, o cansaço e ordem certa pela qual se tem de fazer as coisas obrigando-nos a uma rotina desgastante, preocupados que estamos em não deixar escapar nada. O grande problema é que quando optamos por não pensar, depois de viver esses momentos em que julgamos ter obtido a paz, a leveza e de nos julgarmos um tanto superiores por isso, surgem problemas muito maiores somente por termos “desligado”. Desmonta-se a estrutura, dá-se a ruína do castelo e preocupados que estávamos em não pensar torna-se nesse momento aos nossos olhos uma preocupação irrelevante, fútil e perigosa que ameaça destruir tudo aquilo pelo que se trabalha e luta. Ainda assim permanece a vontade de não pensar, mas ao mesmo tempo o controle mental mantém-se devido ao receio de tudo se agravar e sobretudo por não sabermos tantas vezes viver no equilíbrio necessário para saber ligar, mas também desligar sem que tudo se apague à nossa volta.

2 comentários:

Girl in the Clouds disse...

Hoje andamos sincronizados com o tema, acho que em geral pensamos de mais e preocupamos-nos demais!! Acho que devemos viver mais!!

GATA disse...

Eu estou sempre preocupada com alguma coisa... quem me dera desligar e descansar!