sexta-feira, 10 de junho de 2011

Cair em graça ou ser engraçado

Existem dois tipos de mulheres no mundo. Aquelas que nos acham graça sem termos feito nada em particular, apenas só porque sim e as outras, aquelas para as quais somos muito “engraçadinhos” mas não temos graça nenhuma e nem que chovam canivetes nos vão achar graça algum dia. Como tudo há um tempo para as pessoas se conhecerem, mas se o primeiro impacto ou os primeiros reparos se traduzem em algo pouco atraente para as mulheres, não há hipótese, e elas nisso são implacáveis. Depois, os homens, percebendo que estão a perder, embora na realidade já tivessem perdido logo no primeiro momento, tentam esticar a corda e é vê-los com as piadas parvas, a fazerem uma serenata pirosa, usando clichés mais que batidos, desconfortáveis e instáveis que estão por sentirem o tapete a ser puxado debaixo dos seus pés. O truque, dizem alguns, é responder às mulheres, que instantaneamente colocam a cruz no nosso rosto, da mesma forma, mostrando pouco interesse pelas mesmas de forma a quebrar a sua confiança e a criar-lhes uma certa raiva provocada pelo impacto da rejeição. Por outro lado há os que começam uma relação exactamente por se odiarem mutuamente, por dizerem que não simpatizam de todo um com o outro, mas nesse caso o problema é ao contrário, acharam graça, mesmo muita graça um ao outro em simultâneo e o ódio surge porque não sabem lidar com esse sentimento gritante que toma conta deles.

4 comentários:

Isis disse...

Pois que não sei. No meu caso ou há empatia (seja que tipo de relação for) ou não há. Se há venha de lá a descoberta. Senão "goodbye". A Vida é curta :)

Olívia Palito disse...

hehehehh!! Nunca tinha visto esse ponto de vista! Bem visto, sim sra.! ;)

Utena disse...

O amor e o ódio são sentimentos que se complementam

GATA disse...

Eu, ou gosto ou não gosto, e ponto final.

Claro que há excepções: alguém que, numa primeira fase, parece simpático e depois se revela um asco, e vice versa.

Mas, cada vez mais, dou menos oportunidades, já não tenho nem tempo nem paciência!