quarta-feira, 13 de julho de 2011

As vítimas

Ser vítima é a coisa mais fácil deste mundo e até parece estar na moda. Facilmente se é vítima, basta querer, mas o que se quer mesmo é outra coisa, é ter algo ou obter algo pelo apelo à solidariedade alheia, que é muito bonita mas por vezes um tanto ingénua. Noutros casos a vítima surge em resposta a uma acusação, acusa-se e a desculpa é estar-se a ser vítima, nem que seja de uma conspiração perpetrada por entidades ou pessoas de que ninguém ouviu falar antes. Desculpas para o ser existem aos milhares sendo que as vítimas aumentam exponencialmente de dia para dia, isto porque as verdadeiras vítimas não o anunciam aos sete ventos, porque na verdade a única coisa que gostariam era deixarem de ser ou do nunca ter sido. Contudo as outras “vítimas”, aquelas que fazem questão de se anunciar antes mesmo de lhes ser perguntado alguma coisa, gostam de se mostrar, de passear na passerelle social distribuindo o seu charme com uma vergonha muito mal disfarçada, para além de entraram num qualquer lugar já vítimas e saindo de lá ainda mais vítimas, por vezes apenas porque alguém se limitou a dizer a verdade, e a verdade por vezes não é aliada da vitimação.

5 comentários:

Sairaf disse...

É sempre mais fácil seguir o caminho que dá menos trabalho, o de vítima!!
Abraço grande caro Terrible
Sairaf

hierra disse...

Detesto vitimas não há pachorra!!!

D. disse...

Sem dúvida. Vítimas com grandes halofotes e rufar de tambores. Quase que os chamados calimeros reais.

A Minha Essência disse...

Oh céus! Haja paciência para as lamechices e tudo e tudo que roça nesse sentido! Um dos piores sentimentos que pode exister para com outras pessoas: pena!
Falo por mim, claro! Passo bem sem. Até porque não sou galinha. ;)

GATA disse...

Ai 'pera aí: conta ser vítima da burocracia e da justiça em Portugal??? Se sim, eu vítima me assumo!