sábado, 2 de julho de 2011

...


Por vezes encontra-se perdendo e perde-se quando se encontra. Nada é definitivo, garantido, espectável ou definido. Tudo é algo que não se sabe bem o quê, é aquilo que se sente num momento e aquilo que se julga sentir, é aquilo que se pensa ou que se julga pensar ou é um misto de pensar e sentir e sentir sem pensar, anulando-se tudo numa amalgama definida pela indiferenciação que se encontra e perde ao mesmo tempo que se perde para se encontrar.

2 comentários:

Utena disse...

E tu encontraste?

L'Enfant Terrible disse...

Longe disso, mas já julguei ter encontrado, para perder...