terça-feira, 2 de agosto de 2011

A perfeição imperfeita da vida

A perfeição da vida reside na sua imperfeição, porque se houvesse perfeição a vida poderia ser descrita com régua e esquadro, por entre linhas perfeitas que se entrecruzam num plano bem definido, onde seriam interceptadas por outras formas, que mesmo curvas nada teriam de imperfeito.  A vida é composta pelo atrito, por rugosidades sem nexo, por todo um conjunto de formas que se ligam e interagem num total caos gráfico, onde nenhuma forma em concreto é suficiente para ser apontada ou descrita como total, pode haver uma excepção ou outra, mas são gotas num oceano de misturas que ondula numa ordem que é definida mas imprecisa. A vida é perfeita na sua imperfeição porque é nessa última que reside a sua essência, a sua dimensão que não se contém na plenitude da forma, mas sim na mistura conjugada do acaso, da probabilidade que obriga o ilógico a tornar-se lógico, ainda que nenhuma das suas características e apresentações aponte para tal.

3 comentários:

Nokas disse...

Tudo dito!!

*B* disse...

Não podia concordar mais...

:)

A Minha Essência disse...

A vida é tal e qual como a vemos (ou desejamos), mas é sempre na nossa óptica!

Kiss