segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Da esperança


A esperança é sempre a última coisa a perder-se, embora seja a primeira que se queria cobrir, que se queira esquecer e a primeira a ser atacada, mas resiste, resiste sempre, mesmo que torturada, mesmo que vilipendiada e jogada na lama, persiste, mantém-se, se não às claras escondida, nas sombras, disfarçada e munida da capacidade de se metamorfosear, tentando sempre voltar para se manifestar, lançando sinais mesmo do exílio mais longínquo. A esperança é resistente, é forte, morre e volta a renascer milhares de vezes, qual Fénix flamejante, ultrapassa obstáculos, vence inimigos, engana a probabilidade, contudo e ainda assim, a esperança é sempre humana e como tal não é eterna nem imortal. 

5 comentários:

GATA disse...

"A esperança é sempre a última coisa a perder-se" é uma frase feita. A dita até pode ser resistente mas eu sou muito mais!

Utena disse...

Mas é única de cada um...
Adorei o texto

Alix disse...

eu também tenho uma longa história de esperança. eu costumo dizer que é a última a morrer, mas que também morre. mas, como bem dizes, ela às vezes só parece que morreu, e de repente volta.

**

A Minha Essência disse...

É somente individual.

S* disse...

Eu sou uma pessoa muito realista mas, lá no fundo, movo-me a esperança.