quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Dizer e pensar

Há coisas que não se podem dizer, da mesma forma que nem se devem pensar, contudo, podemos reprimir a sua expressão, já o limpa-las do nosso pensamento é mais complicado, senão mesmo impossível, isto porque de outra forma as mesmas não existiriam porque só existem exactamente por serem apenas pensamentos, sendo que dessa forma não podem ser apagadas, ali nascem, crescem e por vezes morrem, mas é o único sítio onde podem viver, onde ninguém as pode ouvir, ver, cheirar, tocar ou simplesmente aperceber-se que as mesmos existem, ou existiram. Há coisas que não se podem pensar, mas só o facto de não querermos pensar nas mesmas faz com que as mesmas emerjam e quanto mais tentamos recalcar, mais alto gritam no nosso interior, daí que a única forma de lidar com as mesmas é deixar que aconteçam, que circulem, que façam o que entenderem, desde que haja garantia que nunca fujam de nós, do esconderijo em que se abrigam, para que não nos magoem nem pelo exterior nem pelo interior.

2 comentários:

GATA disse...

Eu diria que há coisas que se podem pensar (p.e. como matar a minha colegazinha de gabinete?) mas que não se podem fazer... Bem, poder fazer, posso, mas depois vou para Tires, o que é chato...

Vadia disse...

Eu iria mais longe e subscrevo o que Oscar Wilde tão bem disse
"A única forma de nos livrarmos de uma tentação é cedermos a ela" Caso contrário, ficamos ali a pensar como poderia ter sido e nunca mais nos libertamos da ideia