quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Facturas e facturinhas


Em diversos serviços, institutos e organismos públicos parece recorrente a ocultação de facturas. Pastas e pastas parecem sumir-se da vista de quem fiscaliza as contas, contendo milhares, senão milhões de dívidas pagas, ou por pagar e se foram escondidas é porque houve alguma razão para isso, uma razão que foge aos olhos de qualquer leigo, a legalidade. No entanto os antigos dirigentes desses organismos mostram-se indignados, auxiliando-se da justificação de que nada sabiam, ao mesmo tempo que se sentem igualmente ofendidos por estar em causa o seu bom nome. De facto deve ser complicada gerir um organismo e não se saber que uns milhões estão escondidos, diria mesmo que se trata de uma conspiração dos funcionários públicos que trabalham na contabilidade, que por sua  conta e risco, decidiram preparar essa armadilha para que os pobres dos dirigentes, sobretudo aqueles lá colocados por indicação política. Todas essas justificações fazem-me lembrar os julgamentos de Nuremberga, onde muita gente afirmava nada saber do holocausto mas isso de pouco lhes serviu, apenas porque havia interesse em fazer justiça, mas julgo que por estes lados o interesse é mesmo não levantar muitas ondas e sobretudo não ofender quem tão honrosamente serviu o país, justificando qualquer falha ou ponta solta pelo desconhecimento de causa, causa essa que se não sabia devia saber e se não soube é porque se calhar também não interessava saber, sendo que assim fica tudo perdoado porque a mais alguns não são obrigados.

1 comentário:

Anónimo disse...

Olá. Este texto é uma verdade verdadinha do que se passa neste país.Concordo com tudo o que aqui escreveu.
Nanda