quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Leito

E porque o abraço dos lençóis é sempre aconchegante, com dificuldade me despeço deles e nem preciso de estar envolvido dos mesmos, basta o seu leve toque, a sua presença perto para permanecer num estado de letargia que me adormece, mas ao invés arrasto-me como que obrigado por alguma força que me oprime para longe dos mesmos e tão difícil é ficar a olhar para eles à medida que me afasto. A única coisa boa é a memória que fica e a quase certeza que horas depois novo encontro terei com eles, o problema é que nessa altura, ao invés de me aconchegarem, parecem pesar, isto porque o prazer da sua envolvência só se manifesta de forma aguda na hora de os abandonar.

5 comentários:

GATA disse...

Citando o Marco Fortes: "está-se bem é na caminha". E eu acrescento: "seja de manhã ou à noitinha"! :-)

Vadia disse...

É bem verdade!
Custa tanto largar o quentinho da cama de manhã, mesmo com a certeza que passadas umas tantas horas podemos voltar para lá!!! O pior é que quando chega a hora, também dá uma preguiça de voltar para o vale de lençois...

A Minha Essência disse...

Oh, oh... o que é bom, acaba depressa. :(

Nanda disse...

O aconchego é necessário para nos trazer um bem-estar fisico e mental.
Nanda

hierra disse...

No inverno então, é uma paixão assolapada!