segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Olhar


Olha-se sempre à procura de algo, por baixo, por cima, dos lados, à frente e atrás, usando todas as referencias cardiais, as que se conhece e desconhece, as que se aprenderam e as que se intuem, tudo para não se falhar o mais ínfimo detalhe, tudo para não se ver o que se procura e até duvidar que existe, dado que se esconde, que se dilui à nossa frente numa miragem que nos chama alegremente para lado nenhum. Pode-se conhecer todo um mapa de cor, pode-se ter o melhor faro, a maior das visões, mas há e haverá sempre aquilo que nos escapa, aquilo que se perde num quadro que é global que, com tantas particularidades ou generalizações esconde à nossa frente tudo o que procuramos.

3 comentários:

S* disse...

Por isso é que se deve olhar uma, outra, e outra vez. :)

hierra disse...

Exacto, e se n falarmos num quadro mas num ser humano. aí entáo podemps concordar que nos escapa muita coisa!

GATA disse...

A mim, ultimamente, escapa-me (a uma velocidade doida!) a paciência...