quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Ser ou não ser

Bem se sabe que cada um de nós é peça única, modelo original, artigo limitado, contudo há sempre aqueles que querem ser mais únicos e os outros que querem ser o menos original possível. Para tal uns tentam por todos os meios procurar um caminho demarcando-se dos demais ao passo que os outros imitam qualquer gesto alheio que lhes possa dar essa sensação de ser tudo menos singular. O que é curioso no meio disto tudo é que há uma altura em que aqueles que querem ser mais raros no meio dos outros acabam por se dar com outros com o mesmo desejo e assim formam um grupo e desta forma diluem a sua individualidade num padrão, o que anula a sua tão preciosa singularidade. Os outros por seu lado, que querem à força ser o mais padronizados possível, acabam por se demarcar do todo, porque tudo o que possuem e aquilo  que são mais não é que uma mera capa construída por meio da imitação que lhes anula qualquer grau de individualidade excluindo-os assim do modelo geral, porque o desequilíbrio é bem patente e tal é sempre algo que não encaixa no quer que seja.

3 comentários:

Nanda disse...

É verdade!
Nanda

hierra disse...

Eu bem tento ser única, mas há sempre alguém que acha que eu sou parecida com uma actriz famosa...looool

Olívia Palito disse...

Fantástico!
Que grande pensador me saíste/és, rapaz! :P