sexta-feira, 27 de abril de 2012

Passados perdidos


Há muitas coisas que esquecemos por força da inércia. Elas aparecem de um momento para o outro, criando o tumulto dentro dos nossos pensamentos, hierarquizando os mesmos de uma forma diferente para depois, com o passar o tempo, com tantas outras peripécias que surgem no caminho, diluírem-se lentamente fazendo com que pensemos que se extinguiram. Mas não. Mantém-se ali, porque as razões pelas quais surgem num primeiro momento acabam por vir ao de cima, porque nunca foram resolvidas em definitivo, porque estão apenas adormecidas ou foram aplacadas com outro tipo de compressa. E eis que surgem, qual redescoberta, como se os dias em que esses pensamentos ocorriam em força tivessem sido ontem, e não há muito tempo atrás, como se o período que medeia entre o passado e presente tivesse sido, ele sim, esquecido. Mas a única coisa que sei é que da mesma forma como reapareceram também voltarão a desaparecer, o problema é o rasto de convulsões que provocam, a influência que têm nos pensamentos do presente, o que os torna um perigo de contágio, se para o bem ou para o mal não sei, mas raramente o que estaria enterrado trás algo de bom.

2 comentários:

Utena disse...

O ideal será mesmo tratar deles no momento certo e enterrar por definitivo!
O problema é que muitas vezes á algo impossivel de fazer

S* disse...

Complicado de gerir.