sexta-feira, 11 de maio de 2012

Antídoto


Muitas vezes dizem que para se conseguir superar a infelicidade é preciso saber as causas da mesma, as razões que pelas quais estamos nesse estado lastimoso, porque, em tantas ocasiões estamos infelizes e nem sabemos porquê, apenas e só porque estamos, porque não temos vontade, porque não temos força, porque a luz é demasiado forte e cega-nos em vez de nos alegrar e o manto da escuridão torna-se demasiado pesado ao invés de nos confortar. Mas quando temos a resposta, quando sabemos a razão, diz-se, podemos atacar o problema, podemos delinear uma estratégia, um plano para o contornar ou destruir. Contudo, creio, que mesmo quando se sabe a razão, o motivo, a causa concreta e absoluta, não deixamos de nos sentir infelizes, não deixamos de sofrer esse lamento interno que pinga dentro de nós como se estivéssemos vazios. A verdade é que sabendo ou não sabendo a infelicidade acontece e dura o que tem de durar sem que outra solução surja para a aplacar a não ser a passagem do tempo, que pode parece ser ainda o melhor dos tratamentos.

3 comentários:

GATA disse...

Não há bem que sempre dure nem mal que não se acabe, diz o povo e com razão! A (in)felicidade é como a moda: ora está IN ora está OUT! :-)

A Minha Essência disse...

Penso que depende das vivências que tenhamos nas costas. Depois, como dar a volta ao texto.

*C*inderela disse...

sim, normalmente o tempo é o melhor remédio. acalma a dor e ajuda a pensar na melhor "estratégia" para dar a volta à situação.

Bjokas