segunda-feira, 18 de junho de 2012

Das incertezas


Sabemos que a vida é feita de incertezas, de dúvidas insalubres que nos atormentam na maioria das vezes, sem que possamos ter uma solução para as mesmas, obter respostas, resoluções, soluções para nos conseguirmos libertar das teias que elas tecem. Por vezes muitas residem no tempo, na espera atroz que é ter de esperar para que o mesmo passe e assim obter um resultado, ou um sinal que nos dê uma pista que seja, um leve raio de luz que possa iluminar o nosso caminho e dissipar um pouco dessa escuridão onde se encerram as dúvidas. Outras vezes as dúvidas estão além do tempo e do espaço, estão dependentes do que os outros pensam, do que os outros fazem, do modo como todo um jogo de probabilidades se pode conjugar, se a nosso favor ou contra nós. Contudo, por cada incerteza que se supera, outra ou mesmo outras surgem em toda a sua força e vitalidade, sempre à espreita para nos atormentar somando-se àquelas que desde sempre nos perseguiram e por certo nos vão continuar a acompanhar, a moldar a nossa atitude, a nossa personalidade, a nossa acção, no fundo, a definir quem somos e o que somos.

3 comentários:

S* disse...

A incerteza da vida dá-lhe um certo encanto.

Utena disse...

Se tudo fosse certo que graça teria?
Não é nas incertezas da vida que temos as nossas certezas?

GATA disse...

Já disse e repito: a única certeza que tenho é a morte. O resto, a vida é uma incerteza...