sexta-feira, 29 de junho de 2012

Falhar


Admitir que se falha não é fácil. Nunca o é, nunca o será e tão difícil como falhar é lidar com tal, digerir, sobreviver, encontrar um meio de restaurar a falha se possível ou caso contrário viver com ela sabendo que a culpa foi nossa. Arranjamos justificações, procuramos culpados, tentamos desviar as atenções ou mesmo esquecer e seguir em frente. Seja qual for a natureza da falha, tenha sido ela justificada ou não, o certo é que falhamos e por vezes queremos admiti-lo como uma forma fácil de nos livrarmos da culpa pela mesma, mas quando o difícil é o peso da mesma na nossa consciência, admitir torna-se complicado, ficamos densos, quietos, sem saber que caminho tomar, que atitude ter e o que virá ainda a seguir visto que tal nos assombra pairando sobre nós e alterando a nossa acção futura e o nosso humor presente.

2 comentários:

hierra disse...

:) detesto errar! Detesto, sobretudo em coisas que não devia errar, daquelas que estavam mesmo à frente ....mas admitir admito...mas quase que não me perdoo

GATA disse...

Eu não tenho problemas em admitir que falho - não sou perfeita! Já cometi erros dos quais me arrependi mas... a vida continua!