segunda-feira, 4 de junho de 2012

Perto e longe


Chegar perto não é fácil. Tenta-se muitas vezes, de várias maneiras, umas vezes de modo inconsciente, mas na maioria de modo consciente como que seguindo algo que sentimos como irresistível e nesse último caso, nem sempre com resultados frutíferos, porque o esforço pode transparecer, a mostra de interesse pode assustar, pode passar a ideia errada, aquela justamente que não se quer transmitir, mas que acaba de alguma forma por não se conseguir mascarar, tanto mais se do outro lado quiser distância. Chegar perto é para alguns fácil, sobretudo para os que o conseguem transparecer sem surtir o efeito de ameaça, cativando como algo de sobrenatural, como algo natural, sem um roteiro pré-definido, e assim que o conseguem colocam-se imediatamente longe, porque sentem que chegaram perto demais, mais perto do que pensavam que o perto fosse e perto passa de um sabor confortante a um gosto de asfixia, percebendo-se então que sair de perto é difícil, tanto ou quase como que chegar perto.

3 comentários:

A Minha Essência disse...

Assim sendo, ficamos sempre num misto, de emoções.

hierra disse...

melhor que chegar perto, é sem dúvida chegar lá, onde se quer...nem sempre é possível, e morrer na praia é uma seca!

GATA disse...

Tantas vezes, tão perto e tão longe...