segunda-feira, 2 de julho de 2012

Do sonhar


Durante a nossa infância e adolescência sonhamos, quero crer que sonhamos mais do que em qualquer outra ocasião da nossa vida, porque esse é o tempo de sonhar, é o tempo da expectativa, é o tempo de preparar o caminho sem nunca saber onde o mesmo vai levar. Depois, na idade adulta é tempo de concretizar, de fazer, de efectivar tudo aquilo que sonhámos, alterando, limando, adaptando o sonho à realidade, mas tantas vezes acabamos por desbastar demais os mesmos, sobrando só uma realidade que, embora se possa aproximar do que queríamos ou mesmo o que queríamos, já não tem qualquer sinal metafísico de sonho, já não tem sentimento, não tem aquela aura que só por si valia pelo todo. Procuramos então voltar a sonhar, mas desta feita é mais difícil, porque encaramos a realidade tal como ela é, com muito menos expectativas, com muito mais pessimismo e sobretudo realismo, pelo que os sonhos, por mais que nos esforcemos, não nos conseguem embalar como dantes, acabando ao invés de algo positivo para nós por se tornarem em substâncias amargas dado que agora sabemos os nossos limites e a existência está enquadrada em paredes, não abrindo o sonho a amplitude que antes conseguíamos vislumbrar.

4 comentários:

S* disse...

Eu gosto de sonhar, mas sou demasiado terra-a-terra para tirar os pés do chão.

A Minha Essência disse...

Entendo o que queres passar mas, por mim escrevo: o sonho deve permanecer sempre no nosso caminho. Mesmo que consigamos concretizar o que alguns dos sonhos, os outros tantos nem sempre têm o mesmo fim, porém, é importante não deixar de fazê-lo! Afinal, sonhar faz parte do nosso estado vivo!

Mona Lisa disse...

A forma como encaramos a vida e os desafios depende inteiramente de nós. Se partimos para as dificuldades já com uma atitude derrotista, nunca na vida conseguiremos alcançar os nossos sonhos. É perfeitamente possível ser realista e consciente das dificuldades e ainda assim alcançar absolutamente todas as nossas metas. Não existe nada impossível, nada e hoje em dia já ninguém consegue convencer-me do contrário. Quanto mais acreditarmos nisto, mais alto voamos e mais sonhos alcançamos. Se é fácil? Não. É duro. Custa. É exigente, é cansativo...mas é possível, e penso que é tudo o que interessa. Quanto mais metes na cabeça que não consegues, mais preso vais ficar neste círculo vicioso.

GATA disse...

Bem, sonhar... ainda sonho... mas como escreveu a NI - "por vezes temos que aceitar que há sonhos interditos para alguns"...