sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Das conspirações

Há quem acredite e há quem não acredite, mas o certo é que as conspirações, reais ou imaginárias são transversais à própria civilização humana, seja como realidades concretas ou como teorias inventadas e actualmente, nesta idade contemporânea onde vivemos as mesmas vivem e prosperam, mesmo entre quem não acredite, fazendo parte da cultura como algo concreto, da "mitologia" e folclore dos tempos modernos. As conspirações são terreno fértil para discussões entre os que tudo explicam afirmando a existência das mesmas e aqueles que todas por igual negam, sobrando pelo meio a verdade, a realidade que se tornou demasiado obscura para ter outra explicação que não essa, mas o certo é que é também uma forma de justificar de forma simplista algo que aconteceu ou acontece, ainda que em muitos casos os próprios que conspiram usem a palavra "conspiração" para lançar a chacota àqueles que os acusam de tal acção, sendo que o resultado final é sempre a dúvida ou então a pura negação da existência. Não creio que acreditar em conspirações seja coisa de tolo, mas creio que acreditar que tudo é uma conspiração ou negar que as mesmas existam já o seja, separar o trigo do joio é complicado, é difícil porque ambos os lados, os que são contra ou a favor lançam essa nuvem cinzenta da dúvida, sendo que acreditar em algo é, por si só, sempre difícil e por vezes a explicação que parece mais acertada é aquela em que não queremos acreditar.

1 comentário:

GATA disse...

Neste momento, acredito na 'conspiração' do Rui Veloso: "parece que o mundo inteiro se uniu pr'a me tramar!" :-(