quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Expectativa


Boa parte da felicidade, senão toda, está em acreditar. Basta acreditar para se ser feliz, pensar ou sonhar com aquilo que se pode alcançar, antecipando mesmo o que poderá nunca acontecer ou acontecer como se espera, para tão somente rasgarem-se os lábios num rosto. Da mesma forma pensar o oposto serve para acautelar aquilo que pode ser a desilusão, de forma a não se criar grandes expectativas, ou simplesmente esperar o pior ao invés do melhor, porque o melhor raramente aparece e as ilusão têm um travo amargo que é preciso suprir. Contudo, tanto num caso como no outro, a centelha que acaba por ser por si mesma tantas vezes a síntese, seja da felicidade seja da infelicidade, parte tão somente da expectativa, daquilo que se acredita antes mesmo de acontecer, porque sentir e viver algo em concreto num único momento é algo raro, se bem que mais vezes comum no caso da infelicidade do que da felicidade.

1 comentário:

S* disse...

Há que saber ter esperança.