sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Aquilo que somos

Nem sempre somos nós. Por vezes parecemos ser aquilo que pensamos ser outra pessoa, outra alma que nos invade nos toma por momentos alterando e modificando aquilo que entendemos por nós próprios. E, no depois, quando voltamos ser aquilo que somos metemos a mão na cabeça e perguntamo-nos o que aconteceu, o que se passou, num misto de receio e de total confusão tentando responder a perguntas cujas respostas, neste caso em concreto, residem somente em nós. Analisamos, ponderamos, passamos a temer o que somos a partir de então, aquilo que é a nossa própria essência encontra-se abalada e baralhada na nossa mente que se dispersa para todos os lados, até que finalmente encontramos a única via possível para entendermos, descobrimos que a partir de então aquilo que somos é muito mais do que pensamos, é aquilo que conhecemos como aquilo que desconhecemos e que no fundo dentro do nosso amago encontra-se essa caixinha de surpresas que por vezes se revela, pelo que não temos outro remédio senão aceitar que também somos isso, algo que nem sempre gostaríamos de ser, mas que tantas vezes não conseguimos evitar.

1 comentário:

GATA disse...

Eu não sou um ser estanque, não sou o que fui e talvez não seja o que serei...