quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Mal



Há quem nos faça mal. Há quem nos faça mal de forma directa, intencional sem rodeios ou receio de o fazer. Mas há também quem nos faça mal sem saber, sem nos conhecer, só pela sua mera existência que muitas vezes se resume apenas a uma ideia que se faz, onde se misturam uma amalgama de receios, vontades e desejos para tudo se transformar em algo que se sabe não poder continuar por muito tempo, na medida que a sua concentração se traduz nessa massa crítica cuja densidade provocará, em tempo devido, uma explosão que nos deixará em pedaços. Na obstante fugimos de quem nos possa fazer mal, ou pelo menos tentamo-nos desviar, seguir outro caminho, se bem que sabemos que sempre aparecerá mais alguém para nos ameaçar, sendo que o problema muitas vezes é que só nos apercebemos de tal quando já é tarde e algo no nosso interior começa a corroer, a destroçar-se, tocando o alarme de fuga. Mas difícil não é fugir, é antes saber à partida aquilo que nos vai ou não fazer mal.

2 comentários:

A Minha Essência disse...

Se fosse possível prevermos o momento seguinte, muitas coisas seriam concerteza evitadas. Sem dúvida.

GATA disse...

Infelizmente, conheci duas ou três pessoas, das que fazem mal de forma directa, intencional sem rodeios ou receio de o fazer...