quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Ser e não ver



Há quem se olhe ao espelho mas não veja o seu reflexo, vê antes uma miragem, algo que os sentidos dizem estar lá mas não está, pelo menos do modo como pensa ver. Espelhos todos usam por certo, mas muitos não os sabem usar, usam-nos apenas para ver o que querem ver e não para verem a realidade reflectida que é a sua, da qual fazem um julgamento pouco adequado, incerto e irrealista que usam para se gabar e cantar aos quatro ventos como se fossem senhores de toda a virtude, moral e qualidade. Depois quando lhes é apontada a realidade do que são, aquilo que olham acaba por ser uma imagem cinzenta, a negação e o conflito entre o ser o parecer, entre o que julgamento próprio e o julgamento público.

4 comentários:

A Minha Essência disse...

Por isso que mais vale sê-lo, do que parecê-lo! Ilusões utópicas depressa vêem à tona.

maria teresa disse...

Um texto metafórico que retrata, muito bem, a realidade de muita gente.

S* disse...

Tento estar bem consciente dos meus defeitos.

GATA disse...

O meu espelho é amigo quando estou sem lentes... :-)