terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Dos críticos de cinema



Sempre me fez confusão o facto de haver quem consiga apreciar filmes parados, lentos, monumentais secas, de enredos cuja ideia não se alcança nem à primeira, nem à segunda, chegando até a duvidar se há um enredo sequer. Isto para depois virem os chamados "críticos" dizer que é uma obra-prima, que o realizador é um génio, que o mundo provavelmente parava se tal não existisse. Na minha modesta opinião e do pouco que percebo de cinema, tenho sérias dúvidas que estes chamados críticos também percebam alguma coisa do assunto, aliás, estou desconfiado que quando vêem estes filmes devem-se deixar dormir como qualquer comum mortal, mas depois, quando já passam os créditos acordam estremunhados e no meio do embaraço pelo facto de terem dormido aquando a projecção da fita, só podem dizer uma coisa, que o filme é uma obra-prima. Então espalha-se a palavra como fogo no mato, e todos os outros críticos começam exactamente a dizer o mesmo, uns porque também dormiram e pensam que o primeiro terá mesmo conseguido ver até ao fim, ao passo que aqueles que não se dignaram a perder tempo com tal seca monumental apoiam-se nessa mesma crítica inicial para não ficarem atrás. Depois aparecem os prémios, as aclamações e se um cineasta que já seja reputado faz mais um filme para dormir, com uma história difusa e maçadora, sabe à partida que a crítica está no papo, isto até ele próprio um dia deixar de adormecer enquanto realiza a fita. Quanto aos críticos ganham o chavão elegante de intelectuais, aqueles que olham mais além, que conseguem perceber aquilo que ninguém entende, ao mesmo tempo que rezam para nunca serem apanhados a dormir no cinema.

5 comentários:

GATA disse...

Eu ainda penso por mim mesma, e dou-te um exemplo: não houve cão nem gato que não gostasse do Cão Milionário - aka Slumdog Millionaire... pois eu não gostei! Ah e tal ganhou muito prémios... Sim??? Que bom para o Danny 'Boy'!! Mas eu não gostei, e ponto final.

A Minha Essência disse...

Vá, são os chamados donos da verdade. Mas esquecem-se que são somente a sua verdade. No entanto, para outros tantos, essa verdade conta. Tanto conta, que vem a conhecimento público. Contudo, resta aos outros tantos fazerem uma avaliação dessa verdade. Avaliação essa que pelos vistos também é aceite, pois é reconhecida por esses demais. Quem segue essa saga, sempre tem na penumbra a sua verdade, assim como tu, agora. ;)

A Minha Essência disse...

Ah! E com aquela "conversa" toda esqueci-me do principal! Gosto, mas é que gosto de filmes de terror!

S* disse...

ahahah Eu odiei - com todas as letras - A árvore da vida.

Laura Santos disse...

Eu acho que há filmes lentos (são raros, no entanto) que são esteticamente muito bons, tal como há filmes com muita acção que não têm qualidade nenhuma...mas ao fim e ao cabo é sempre uma questão de gosto.
Quanto aos críticos, enfim, eu não me guio pelas opiniões deles.
Por ex. "Urga,O Espaço sem Fim" de Nikita Mikhalkov é um filme que pode ser considerado "lento" mas é para mim um grande filme.