sexta-feira, 8 de março de 2013

Sombra



Por vezes não há a pessoa. Por vezes a única coisa que há é a ideia que se tem, a qual acaba por se tornar aos nossos olhos a pessoa em si, desde o princípio ao fim e, com base nessa ideia, surgem todas as nossas perspectivas e divagações, cujo resultado tantas vezes produz algo que está para além da realidade, na medida que aquilo que temos na nossa ideia não é pessoa em si, mas sim, apenas e só, a ideia que fazemos da mesma que tem tanto de natural como de artificial.

4 comentários:

Cath Quelque Chose disse...

Culpada!

S* disse...

E eu detesto não ter a imagem real da pessoa.

A Minha Essência disse...

Análises distorcidas, portanto.

GATA disse...

Por vezes... a ideia errada da pessoa certa... a ideia certa da pessoa errada...