quinta-feira, 25 de abril de 2013

25 de Abril


Há trinta e nove anos ocorreu o vinte cinco de Abril, que, de uma modo ou de outro acabou por afectar toda a sociedade portuguesa, a qual vivia até então nesse estado amorfo e sem expressão. Se para muitos essa data foi o começo, para outros foi o fim, mas para a maioria talvez não tivesse sido nada, apenas a continuação que só mais tarde, praticamente na geração seguinte, se veio a revelar algo de concreto, isto depois de muitas atribulações pelo caminho. Talvez por isso, por ter sido um acontecimento inusitado, de ruptura, que vagueou um tanto perdido até escolher o caminho a seguir, que deu o mote a tantas esperanças, a tantos sonhos, à ideia de mudança, à ideia de recomeço e por isso, foi, durante tanto tempo uma expressão de tudo e mais alguma coisa, sempre como de algo positivo que foi revivido até ao presente. Mas também é certo que na última década a ideia de vinte cinco de Abril acabou por ser algo relegada para segundo plano como se a sua importância tivesse diminuído, na medida que tudo aquilo que foi construído a partir do mesmo parece ter crescido, germinado, tendo de seguida murchado e apodrecido. Contudo, ainda que assim tenha sido os acontecimentos recentes têm vindo a renovar o vinte cinco de Abril, a colocar uma nova tónica no seu sentido. Se antes comemorava-se o vinte cinco de Abril devido à esperança que esta data carregava, hoje, parece-me, comemora-se o mesmo pela raiva que um dia este pode vir a significar.

4 comentários:

S* disse...

Talvez nem tanta coisa assim tenha mudado, mas é um dia que respeito.

GATA disse...

A esperança nunca morre!

Utena disse...

Veio com ele coisas boas e más, a mudança tem dessas coisas.
O problema foi que não se soube aproveitar a que de bom ele poderia ter trazido

hierra disse...

Eu compreendo os ideias, a simbologia e sempre respeitei este dia, sendo que este é o primeiro ano em que sou indiferente, acho que, esta corja que se instalou no poder, não é totalitária, mas é totalmente incapaz de fazer o que quer que seja pelo país, apenas pelo respectivo bolso. A esse facto ajuda a comemoração escondidinha...que é perfeitamente idiota!